Com segurança reforçada, Reino Unido se despede de Margaret Thatcher

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Rainha Elizabeth 2ª , representantes de 170 países e ex-líderes britânicos compareceram a cerimônia na catedral Saint Paul; manifestantes protestam contra pompa de funeral

O Reino Unido montou um rígido esquema de segurança para o funeral da ex-primeira-ministra Margaret Thatcher nesta quarta-feira (17), com a presença de 4 mil policiais. O forte policiamento visa impedir manifestações que possam interromper o cortejo do caixão, que partirá de uma cripta medieval no Palácio de Westminster até a Catedral de Saint Paul.

A rainha Elizabeth 2ª esteve entre os mais de 2 mil que assistiram à cerimônia na igreja, incluindo representantes de 170 países. Outras milhares acompanharam o cortejo do caixão pelo centro da cidade. 

Leia todas as notícias sobre a morte de Margaret Thatcher

AP
Caixão de Margaret Thatcher é carregado antes da cerimônia fúnebre

Thatcher, que morreu aos 87 anos no último dia 8 de abril, foi a primeira e única mulher a exercer o cargo de premiê na história da Grã-Bretanha. Ela esteve no poder por 11 anos, entre 1979 e 1990.

Obituário: Morre aos 87 anos a ex-premiê britânica Margaret Thatcher

Análise: Estado mínimo e recuperação britânica marcam legado econômico de Thatcher

Um número pequeno de manifestantes virou as costas e vaiou durante a passagem do caixão, como forma de desagravo à polêmica premiê, uma personalidade política que até hoje, há mais de 13 anos de sua saída do poder, divide o país por ações de seu governo. Entre as mais controversas estão o fechamento de minas de carvão e a Guerra das Malvinas (1982).

Convidados dentro da catedral incluiam colegas e rivais políticos de Thatcher e seus sucessores como premiês - John Major (1990-1997), Tony Blair (1997-2007), Gordon Brown (2007-2010) e David Cameron (desde 2010).

Leia também: Relembre a trajetória de Margaret Thatcher em imagens

Polêmica: Veja as principais frases de Margaret Thatcher

O ex-secretário de Estado americano Henry Kissinger e o ex-vice-presidente do país Dick Cheney  estavam entre os representantes dos EUA, enquanto personalidades da era Thathcer incluíam F.W. de Klerk, o último líder do apartheid na África do Sul; o ex-presidente polonês Lech Walesa; o ex-premiê canadense Brian Mulroney e celebridades como Joan Collins, Shirley Bassey e Andrew Lloyd Webber. 

A neta da ex-premiê de 19 anos, Amanda Thatcher, leu uma passagem de Efésios: "Estai, pois, firmes, tendo cingidos os vossos lombos com a verdade, e vestida a couraça da justiça."

Legado: Admirada e criticada, Margaret Thatcher transformou Reino Unido

O decano da catedral, David Ison, relembrou "sua coragem, sua firmeza e sua determinação para realizar o que acreditava ser o certo para o bem comum". Depois, os presentes se reuniram em torno do caixão e aplaudiram. O corpo de Margaret Thatcher será cremado.

Antes da missa, o caixão da ex-primeira-ministra foi levado do Parlamento à Igreja de Saint Clement Danes, para orações. De lá o caixão, coberto com a bandeira do Reino Unido, foi levado em uma carreta puxada por seis cavalos pretos até a catedral. 

Vídeo: Veja principais momentos dos governos de Margaret Thatcher

Saiba mais: Estado mínimo e recuperação britânica marcam legado econômico de Thatcher

Seu funeral contou com honras militares, mas não foi um funeral de Estado. A cerimônia teve o mesmo status do funeral de Lady Diana Spencer, a princesa Diana, em 1997. Isso provocou a indignação de muitos britânicos, que acreditam que seu legado é uma sociedade economicamente dividida.

"Como qualquer outra pessoa, ela merece um funeral decente, mas não às custas do contribuinte", disse a manifestante Patricia Welsh, 69 anos. O atual primeiro-ministro britânico, David Cameron, afirmou que a cerimônia era um "tributo adequado a uma grande primeira-ministra respeitada no mundo inteiro".

Leia também: Protestos preocupam polícia em funeral de Margaret Thatcher

Foto tirada de cima mostra caixão da ex-premiê britânica Margaret Thatcher na catedral Saint Paul. Foto: APRainha Elizabeth 2ª comparece a cerimônia da ex-premiê-britânica Margaret Thatcher, morta na semana passada. Foto: AP'Quase 10 milhões de libras do nosso dinheiro para um funeral conservador', diz um cartaz de manifestação. Foto: APPremiê britânico David Cameron faz um pronunciamento durante a missa no funeral de Thatcher. Foto: APEx-premiê britânico Gordon Brown ao lado de sua mulher, Sarah, chegam a catedral para funeral de Margaret Thatcher. Foto: APEx-premiê britânico Tony Blair e sua mulher, Cherie Blair, deixam a cerimônia do funeral de Thatcher. Foto: APMark Thatcher e sua esposa, Sarah, deixam a Catedral Saint Paul após funeral da ex-premiê britânica Margaret Thatcher em Londres. Foto: AP'A Dama não retornará', diz um cartaz carregado por manifestantes no Reino Unido. Foto: APPremiê israelense, Benjamin Netanyahu, participa da cerimônia do funeral de Margaret Thatcher. Foto: APCaixão de Margaret Thatcher é carregado para fora da Catedral Saint Paul em Londres. Foto: AP

Apesar disso, dezenas acamparam durante a noite próximo à catedral na esperança de conseguir ver o caixão da ex-premiê. "Eu vim comemorar a maior heroína de nossa era moderna", disse Anthony Boutall, 25 anos. "Ela pegou uma nação em frangalhos e deu nova vida."

Alguns convidados de alto escalão não participaram da cerimônia, incluindo a ex-primeira-dama americana Nancy Reagan - cujo marido, Ronald Reagan, tinha um relacionamento próximo com Thatcher - e o ex-líder soviético Mikhail Gorbachev. Angela Merkel enviou seu chanceler e os Clinton e os Bush se recusaram o convite. Alicia Castro, embaixadora argentina para o Reino Unido também recusou o convite. 

Com AP e BBC

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas