Ataque deixa dezenas de mortos durante campanha eleitoral no Iraque

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Homem bomba causa explosão em Baquda em evento de candidato sunita, que saiu ileso

Reuters

Um homem-bomba matou 22 pessoas e deixou outras 60 feridas neste sábado ao explodir uma tenda lotada durante campanha eleitoral na cidade iraquiana de Baquba, a 65 quilômetros da capital Bagdá. O evento era do candidato sunita Muthanna al-Jorani, que escapou ileso.

Uma década depois da invasão liderada pelos Estados Unidos, o Iraque ainda tentar controlar a instabilidade política e a violência que nas últimas semanas já matou pelo menos 10 candidatos que haviam planejado concorrer nas próximas eleições locais.

Leia também: Dez anos após invasão do Iraque, novas ameaças sectárias

A votação deverá ser realizada em todo o país no final de abril, mas já foi adiada em duas províncias de maioria sunita-muçulmana, devido a preocupações com segurança.

Os candidatos no Iraque muitas vezes instalam barracas durante a campanha e usam o local para atender os potenciais eleitores e explicar as suas propostas políticas.

"Primeiro uma granada de mão foi lançada na barraca ao lado da que eu estava", disse à Reuters por telefone uma pessoa de 23 anos de idade, que ficou ferida no ataque e estava em um hospital. "As pessoas corriam em todas os lados e pedaços de cadeiras ficaram espalhados por todo o lugar", disse. "Poucos segundos depois, uma explosão ocorreu na mesma barraca."

A maioria dos 10 candidatos mortos anteriormente pertencia ao bloco Iraqiya, apoiado por sunitas e liderado pelo ex-primeiro-ministro Iyad Allawi, um político xiita secular.

Tensões sectárias e étnicas têm aumentado desde a retirada dos EUA do Iraque em dezembro de 2011, uma violência inflamada pelo conflito na vizinha Síria, onde os rebeldes principalmente sunitas estão tentando derrubar o presidente Bashar al-Assad, que é apoiado pelo Irã xiita.

Dezenas de milhares de sunitas fizeram protestos nas ruas em Anbar e outras províncias contra o governo iraquiano liderado por xiitas.

Anbar, que faz fronteira com a Síria, foi quase totalmente controlada pela Al Qaeda no auge da insurgência iraquiana, e militantes sunitas estão novamente encontrando redutos na região, segundo especialistas em segurança.

Os EUA pediram ao governo que reconsidere a decisão de suspender as eleições na Províncias de Anbar e Nínive, dizendo que é vital que todos os iraquianos votem simultaneamente.

"Estamos muito preocupados com a decisão de adiar as eleições provinciais em Anbar e Nínive devido à segurança", disse um diplomata dos EUA.

Ataques no Iraque são menos comuns do que durante o combate entre sunitas e xiitas que atingiu um pico em 2006/07, mas tiroteios e explosões ainda ocorrem quase diariamente.

Leia tudo sobre: MUNDOIRAQUEMORTOSCAMPANHA

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas