Coreia do Norte ameaça base dos EUA no Pacífico

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Em nova advertência, regime de Pyongyang diz que seus foguetes têm alcance para atingir bases militares americanas no Japão e na Ilha de Guam

Reuters

A Coreia do Norte disse que pode atacar bases militares dos EUA no Japão e na Ilha de Guam, no Pacífico, se for provocada, um dia depois de o líder norte-coreano, Kim Jong-un, supervisionar a simulação de um ataque com uma aeronave não tripulada à Coreia do Sul.

Assista: Coreia do Norte divulga vídeo com simulação de 'ataque' aos EUA

AP
Soldados sul-coreanos passam perto de cerca de arame farpado durante exercícios militares perto de zona desmilitarizada com a Coreia do Norte

Quarta: Coreia do Sul eleva alerta após ataque hacker a emissoras de TV e bancos

O Norte também realizou exercícios de ataques aéreos na quinta, depois de acusar os EUA de preparar um ataque militar usando aviões de bombardeio que sobrevoaram a Península Coreana como parte de exercícios militares da Coreia do Sul juntamente com forças americanas.

Reação: Coreia do Norte rejeita sanções da ONU e China pede diálogo

A Coreia do Norte intensificou sua retórica em resposta ao que chama de exercícios militares "hostis" da Coreia do Sul com os EUA. O país também ficou irritado com a imposição de novas sanções da ONU, que foram adotadas após o teste nuclear de 12 de fevereiro.

Sexta: EUA reforçarão defesa de mísseis contra a Coreia do Norte

"Os EUA são aconselhados a não esquecer que nossas ferramentas de precisão de alvo têm dentro de sua faixa de alcance a base Anderson da Força Aérea, em Guam, de onde o B-52 decola, bem como o continente japonês, onde submarinos nucleares estão alocados e há bases da Marinha em Okinawa", disse o porta-voz do Supremo Comando Militar do Norte, segundo a agência de notícias KCNA.

Após ameaças : Coreia do Norte não pode cancelar armistício, diz Seul

Bases no Japão e no Pacífico americano estão na faixa de abrangência dos mísseis de médio alcance da Coreia do Norte. Nas últimas semanas, o regime de Pyongyang disse que revogou o armistício que encerrou a Guerra da Coreia de 1950 a 1953 e ameaçou um ataque nuclear contra os EUA.

Leia também: Coreia do Norte acusa EUA de 'sabotagem' cibernética

Separadamente, a Coreia do Sul disse que um ataque de hackers aos servidores de emissoras locais de TV e bancos, na quarta, teve origem a partir de um endereço de IP da China, levantando suspeitas de que a intrusão veio da Coreia do Norte.

Leia tudo sobre: coreia do nortecoreia do suleuabases dos eua

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas