Concluída no século 16, a Capela Sistina recebe 20 mil visitantes por dia, mas nesta semana ficará silenciosa a não ser pelas orações dos 115 cardeais que devem escolher novo papa

Reuters

Interior da Capela Sistina, com o afresco de Michelangelo ao fundo que mostra o Juízo Final
AP
Interior da Capela Sistina, com o afresco de Michelangelo ao fundo que mostra o Juízo Final

Os 115 cardeais que elegerão um novo papa no conclave poderão se inspirar com algumas das mais belas e famosas obras de arte do mundo, pintadas por Michelangelo há 500 anos na Capela Sistina.

Em uma das paredes da capela está o afresco que mostra o Juízo Final, e, no teto, se vê a célebre imagem da criação do homem, com os dedos de Deus e Adão quase se tocando.

Veja o especial do iG sobre o conclave

Antes do conclave:  Cardeal decano pede 'unidade' em missa

Mas para os cerca de 1,2 bilhão de católicos do mundo, o que interessa mesmo é a humilde chaminé instalada no teto da capela e que funciona como uma espécie de placar - quando sai fumaça preta, significa que as votações ainda estão inconclusivas; a fumaça branca anuncia que um novo papa foi eleito.

A Capela Sistina, concluída no século 16, recebe 20 mil visitantes por dia, observados atentamente por guardas que reprimem quem tenta tirar fotos em lugares proibidos. Nesta semana, a capela ficará silenciosa, a não ser pelas orações dos "príncipes da Igreja" e pelos discretos passos dos poucos assistentes presentes, que precisam jurar segredo sobre o que veem.

Perfil: Cardeais procuram 'papa Rambo 1º': deve ter charme magnético e determinação

Cenário: Conservadorismo de Bento 16 e João Paulo 2º deve ser mantido por futuro papa

O local é usado para os conclaves desde 1484, quando ocorreu a morte do pontífice que lhe deu o nome, Sisto 4º, um grande apoiador das artes no Renascimento. Naquela ocasião, os cardeais elegerem Inocente 8º, um homem lembrado na Enciclopédia Britânica como um papa cujo nepotismo em prol dos seus dois filhos ilegítimos era "tão abundante quanto desavergonhado".

Era uma época em que aristocráticas famílias romanas lutavam violentamente pelo comando da Igreja e pelas vastas riquezas advindas disso.

Perspectiva: Futuro papa terá de 'purificar' Igreja Católica antes de adotar agenda positiva

'Vergonhas' cobertas

O espírito da Renascença pode ser sentido na exuberante obra de Michelangelo, que labutou durante quatro anos em um andaime especial até concluir os afrescos do teto, em 1512. Michelangelo voltou à capela mais de 20 anos depois para trabalhar no vasto painel do Juízo Final, na parede do altar.

Essa imponente parede de 160 m² mostra santos flutuando até o paraíso, onde são saudados por anjos trompetistas, enquanto os amaldiçoados despencam nas chamas do inferno, onde serpentes famintas os aguardam.

Artigo: Para cardeais, conclave é evento místico

Legado: Papa de 'transição', Bento 16 enfatizou resgate da tradição católica

Ao concluir o trabalho, em 1541, o artista foi imediatamente acusado de imoralidade e obscenidade por mostrar corpos nus, torturados e sensuais, dentro de uma igreja. Após a morte dele, foi aprovada uma lei que determinava que as genitálias fossem cobertas por "calções da modéstia" - alguns dos quais continuaram visíveis após uma recente restauração.

Mais de 5 milhões de pessoas passam por ano pela capela, o que leva o Vaticano a cogitar restringir o movimento, para evitar danos aos tesouros artísticos. Em um serviço religioso no ano passado por ocasião do quinto centenário das pinturas no teto, o papa Bento 16 pareceu concordar com a necessidade de mais calma na capela.

10 perfis: Veja quem são os cardeais mais cotados para ser o novo papa

"Quando contemplada em oração, a Capela Sistina é ainda mais bela, mais autêntica. Ela se revela em toda a sua riqueza."

De 1980 a 1994, durante o pontificado de João Paulo 2º (1978 - 2005), a capela foi submetida a um dos mais ambiciosos projetos de restauração do mundo, livrando-a de séculos de sujeira e fuligem. O resultado dividiu especialistas em arte e turistas - houve quem achasse que as cores ficaram brilhantes demais.

Arcebispo de Milão: Favorito, italiano Scola adapta discurso para atrair jovens à Igreja

Arcebispo de S. Paulo: Cotado para papa, brasileiro mescla modernidade e tradição

A capela, iluminada por janelas altas em dois lados, tem as paredes laterais decoradas por outros artistas famosos: Pietro Perugino, Sandro Botticelli e Domenico Ghirlandaio. Quando o conclave terminar, os turistas voltarão à capela, sobre a qual o escritor alemão Goethe comentou: "Sem ter visto a Capela Sistina, não se pode formar uma ideia apreciável do que o homem é capaz de alcançar."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.