Cadáveres são homenageados em laboratório de escola de Medicina

Por AP |

compartilhe

Tamanho do texto

Em faculdade de Indiana, parentes são chamados ao laboratório onde seus entes queridos foram dissecados para participar de uma cerimônia que conta com honrarias e orações

AP

Quando estudantes de medicina encerram os seus estudos praticados em cadáveres, muitas vezes eles fazem uma homenagem fúnebre àqueles que doaram seus corpos à ciência. Mas as cerimônias de uma escola de medicina americana têm um toque mais surreal: parentes se reúnem em torno das mesas de aço frias onde seus entes queridos foram dissecados e observam seus restos mortais.

AP
Reverendo James Wetzstein faz oração durante cerimônia em homenagem aos doadores de corpos na Universidade de Medicina de Indiana


As mesas são cobertas com mortalhas brancas ou de cor bordô, bandeiras de veteranos militares, flores e velas. A mistura gótica e sublime vista na Escola de Medicina da Universidade de Indiana pode soar como uma cena da imaginação peculiar do cineasta Tim Burton.

No entanto, apesar das prateleiras de espécimes médicos e armários repletos de ossos humanos, essas cerimônias são mais comoventes do que macabras. Os estudantes de medicina se juntam às famílias no laboratório e leem cartas de agradecimento sobre os doadores. Um membro do clero faz orações e lágrimas são derramadas.

Os familiares muitas vezes se sentem desconfortáveis ao entrar na sala. Na cerimônia deste ano, parentes de um dos seis doadores adultos que foram homenageados optaram por não participar. Além disso, alguns dos que participaram tiveram reações mistas.

Joan Terry, de Griffith, Indiana, veio para homenagear sua irmã Judy Clemens, que morreu em 2011 aos 51 anos após uma longa batalha com problemas de saúde, incluindo esclerose múltipla e osteoporose. Terry disse que se sentiu um pouco hesitante sobre estar no laboratório de dissecação.

AP
Guardas homenageiam veterano de guerra que doou corpo para Universidade de Medicina de Indiana

"Eu estava ansioso para vir aqui", disse Terry. "Para mim foi como um encerramento. Eu sei que Judy já não está entre nós. Ela provavelmente está sorrindo sabendo que seu corpo está ajudando outras pessoas, ajudando estes jovens médicos a aprender algo sobre ela, porque é isso que ela queria. Esse é o tipo de pessoa que ela era."

Mais de 30 estudantes, parentes de doadores e funcionários do campus lotaram o laboratório de anatomia durante a cerimônia. Alguns enxugavam os olhos enquanto orações e lembranças eram ditas, mas os rostos estavam na sua maioria estáticos. O tradicional odor de formol do laboratório estava estranhamente ausente, mascarado talvez pelo doce aroma de buquês que decoravam as mesas de cadáveres.

Abdullah Malik, um estudante de Medicina que trabalhou no corpo de Judy Clemens, a agradeceu em uma carta que leu em voz alta durante a cerimônia. "Ter a coragem e a fortaleza para suportar tudo o que ela suportou é uma prova de sua força e uma inspiração para todos nós", leu, ao lado da mesa de dissecação onde estavam os restos do corpo de Clemens.

Ernest Talarico Jr., professor assistente e diretor do curso de anatomia, criou o evento incomum e começou a realizar as cerimônias no laboratório em 2007. Os cadáveres são considerados os primeiros pacientes e os alunos são incentivados a ter contato com as famílias dos doadores durante o semestre também.

Em outras escolas médicas, os corpos doados permanecer anônimos e os estudantes nunca encontram as famílias. Talarico disse que seu programa humaniza a experiência de aprendizagem.

Talarico vê as cerimônias como uma chance de agradecer. "A educação fornecida por estes doadores é de valor inestimável", explica. "Nós vemos essa cerimônia como uma celebração da vida dos indivíduos e do presente que eles deram para nós."

AP
Fotos da família e flores adornam os restos mortais dos doadores de corpos na Universidade de Medicina de Indiana

Lindsey Tanner

Leia tudo sobre: medicinafaculdadeindianaeuacadávercorpoformol

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas