Apesar da surpresa com a decisão, líderes religiosos brasileiros valorizam atitude do papa. Arcebispo do Rio garante que preparativos para a Jornada Mundial da Juventude continuam

Mesmo surpresos com a decisão do papa Bento 16 de renunciar ao comando da Igreja Católica, líderes religiosos brasileiros ressaltaram a atitude do pontífice como “exemplo” de coragem e humildade.

Leia também:
CNBB espera que primeira visita do novo papa seja ao Rio de Janeiro
Cinco cardeais brasileiros devem participar de eleição do próximo papa

“É um sinal e um exemplo para tantas pessoas que são agarradas ao poder, que não querem deixar cargos. Isso foi um exemplo para a humanidade, que quando vir que não pode mais cumprir passa a missão a outro. Ninguém esperava, embora fosse possível. Temos de agradecer a ele por tudo”, afirmou o arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani João Tempesta, em entrevista coletiva no final desta manhã.

Dom Tempesta ressaltou que os preparativos para a Jornada Mundial da Juventude, que será realizada na cidade do Rio de Janeiro em julho deste ano, serão mantidos da mesma forma . Outro papa deve ser escolhido antes da Páscoa e a expectativa é que o novo pontífice venha ao Brasil. Ele se recordou que Bento 16 participou da jornada realizada em Colônia, na Alemanha, que havia sido organizada por João Paulo 2º.

Para o encontro, que reúne jovens do mundo todo a cada dois anos, são esperados mais de 1 milhão de participantes. Dom Tempesta diz que, nos bastidores, Bento 16 já cogitava a possibilidade de renunciar. “É um fato inédito nos últimos tempos, mas que ele lembrava que era possível. Ele reconheceu que, nesses novos tempos, a saúde é muito importante para dar conta do desafio. Nós temos de agradecer a Deus a vida do Bento 16, seu trabalho e a escolha de nossa cidade como sede da Jornada”, diz.

Mais:
Saiba mais sobre a trajetória do papa Bento 16
Em livro, Bento 16 disse que renunciaria se ficasse incapacitado
'Idade pesa e Bento 16 quer descansar', diz irmão do papa

O arcebispo de Belém, Dom Alberto Taveira, em pronunciamento em vídeo, também reconheceu a coragem da decisão do papa. “A decisão tomada é um exemplo para o mundo e para todos nós da Igreja Católica”.

O arcebispo da Arquidiocese de Brasília, cardeal Dom João Braz de Aviz, que está em Roma, pediu orações ao papa. “Convidamos toda a Arquidiocese para estar em oração com o Santo Padre nesse momento em que a Igreja mais precisa do seu Pastor”, afirmou em nota oficial, em que também afirma ter se surpreendido com a renúncia.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.