Coreia do Norte lança foguete com sucesso e desafia alertas internacionais

Após lançamento fracassado em abril, EUA confirmam que foguete conseguiu colocar objeto em órbita; ONU condena iniciativa e Conselho de Segurança se reúne para discutir o caso

iG São Paulo | - Atualizada às

A Coreia do Norte lançou, com sucesso, na manhã desta quarta-feira (noite desta terça-feira no Brasil) seu foguete de longo alcance, considerado por muitos países do ocidente um míssil balístico disfarçado. 

"O lançamento da segunda versão do nosso satélite Kwangmyongsong-3 do centro espacial de Sohae em 12 de dezembro foi um sucesso e o satélite entrou em órbita como estava previsto", destacou a KCNA, agência oficial norte-coreana.

Leia também:  Coreia do Norte prorroga prazo para lançamento de foguete

AP
Sul-coreanos assistem na televisão o lançamento do foguete norte-coreano


Reação: EUA chamam de 'provocativo' plano da Coreia do Norte de lançar foguete

O Comando Norte-Americano de Defesa Aeroespacial (Norad) confirmou que o lançamento aparentemente conseguiu colocar um objeto em órbita ao redor da Terra.

O lançamento do foguete foi detectado às 19h49 (na Costa Leste dos EUA, 22h49 de Brasília) e o objeto seguiu uma trajetória para o sul, com o primeiro estágio do míssil caindo sobre o mar Amarelo e o segundo sobre o mar das Filipinas, informou o Norad.

"Indicações iniciais são de que o míssil lançou um objeto que parece ter entrado em órbita", disse o Norad. "Em nenhum momento o míssil ou os destroços resultantes foram uma ameaça à América do Norte.

Em abril deste ano, a Coreia do Norte já havia realizado empreitada semelhante, mas, naquela ocasião, o foguete explodiu e caiu logo após seu lançamento no mar a oeste da península coreana.

O governo do Japão, que colocou suas Forças Armadas em alerta, disse que o foguete passou pela cidade de Okinawa. "O míssil da Coreia do Norte, chamado de satélite, passou perto de Okinawa por volta de 10h01, hora local (22h01, em Brasília). Não houve interceptações", informou um comunicado oficial obtido pela agência de notícias AFP.

Veja também: História sobre 'sensualidade' de líder norte-coreano engana imprensa chinesa

O Japão ameaçou derrubar qualquer foguete ou destroços de satélite que invadissem seu território. O país deixou alertas navios e interceptadores de mísseis em terra. O porta-voz do governo japonês chamou o lançamento de "extremamente lamentável".

Há dois dias, o país informou que problemas técnicos poderiam atrasar o lançamento do foguete .

A empreitada ocorre às vésperas das eleições presidenciais na Coreia do Sul e quase um ano após a morte de Kim Jong-il. O lançamento marca também o 100º aniversário do nascimento de Kim Il-Sung, fundador e "presidente eterno" da Coreia do Norte, avô do atual dirigente e pai do anterior.

Conselho de Segurança

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, condenou veementemente o lançamento do foguete e expressou preocupação de que a atitude norte-coreana possa impactar negativamente as perspectivas de paz e segurança na região. 

"O secretário-geral deplora o lançamento de foguete anunciado pela República Democrática Popular da Coreia", declarou o porta-voz de Ban, Martin Nesirky, em comunicado.

"É uma clara violação da resolução 1874 do Conselho de Segurança, em que o Conselho exige que a Coreia do Norte não conduza qualquer lançamento com tecnologia de mísseis balísticos", disse o comunicado.

O Conselho de Segurança da ONU informou que o órgão, composto por 15 nações, vai discutir o lançamento durante uma reunião programada para outros assuntos, que começa às 13h (horário de Brasília) desta quarta. O Japão pediu uma reunião do Conselho de Segurança sobre o lançamento do míssil.

O porta-voz disse que Ban vinha pedindo a líderes da Coreia do Norte que não realizassem o lançamento do foguete, e, "em vez disso, construírem confiança com seus vizinhos enquanto dão passos para melhorarem a vida das pessoas."

"O secretário-geral está preocupado com as consequências negativas que este ato provocativo possa ter sobre a paz e estabilidade da região", informou o comunicado, acrescentando que Ban estava em contato com governos "envolvidos".

Reação internacional

O presidente sul-coreano Lee Myung-bak solicitou uma reunião de emergência de seus principais conselheiros para responder ao lançamento do foguete do país vizinho.

AP
Soldados sul-coreanos assistem à transmissão do lançamento de foguete da Coreia do Norte

O chefe da diplomacia britânica, William Hague, condenou o teste e manifestou sua disposição de convocar o embaixador norte-coreano em Londres. A China também criticou a iniciativa de Pyongyang, e disse que a Coreia do Norte "deve respeitar" as resoluções da ONU.

"Todas as partes envolvidas devem manter a cabeça fria e se abaster de jogar lenha no fogo para que a situação permaneça sob controle", destacou a agência oficial Nova China, afirmando que "é hora de construir a confiança na península coreana".

A Rússia também lamentou o lançamento. "( A iniciativa ) desafia a opinião internacional, incluindo os apelos de Moscou", afirmou uma nota oficial do ministério das Relações Exteriores.

Com BBC, AFP e Reuters

    Leia tudo sobre: Coreia do NorteCoreia do SulfogueteEUA

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG