Líderes religiosos e dissidentes russos são cotados para o Nobel da Paz

Este ano, comitê recebeu 231 indicações ao prêmio, que será anunciado na sexta-feira em Oslo, na Noruega

iG São Paulo |

Dissidentes russos e líderes religiosos empenhados na conciliação entre cristãos e muçulmanos estão entre os principais cotados a ganhar o Prêmio Nobel da Paz de 2012, que será anunciado na sexta-feira.

Na casa de apostas Unibet, a favorita é a freira copta Maggie Gobran, que comanda uma entidade infantil no Cairo, e aparece com 13% de chances.

Outros citados incluem o filantropo paquistanês Abdul Sattar Edhi e os líderes religiosos nigerianos John Onaiyekan e Mohamed Sa'ad Abubakar, que ajudaram a acalmar a violência entre cristãos e muçulmanos no país neste ano.

Leia também: Mulheres só ganharam 44 de 851 prêmios Nobel já concedidos

Outros nomes citados incluem Gene Sharp, dos EUA, professor aposentado de Ciência Política, conhecido por seu trabalho em conflitos não violentos; e Sima Samar, médica e política afegã, defensora dos direitos femininos no mundo islâmico.

A casa de apostas irlandesa Paddy Power aponta Sharp como favorito, seguido por Samar.

Reuters
Tawakul Karman, Leymah Gbowee e Ellen Johnson Sirleaf, vencedoras do ano passado (arquivo)

Um reconhecimento direto à Primavera Árabe é improvável, já que a ativista iemenita Tawakkol Karman já foi uma das premiadas em 2011, e raramente o comitê do Nobel reconhece o mesmo tema em dois anos consecutivos.

Rússia

Caso a escolha recaia sobre dissidentes russos, o prêmio pode provocar atritos diplomáticos, especialmente porque o presidente do comitê, Thorbjoern Jagland, é também secretário-geral do Conselho da Europa, que promove os direitos humanos, a democracia e o Estado de direito em 47 países membros, inclusive a Rússia.

"Jagland é sempre criticado por haver um conflito de interesses aí e por ele não ousar irritar os russos", disse Kristian Berg Harpviken, diretor do Instituto de Pesquisa da Paz, em Oslo. "Então talvez ele esteja inclinado a provar que seus críticos estão errados."

Embora o Comitê Nobel Norueguês seja independente do governo, seus membros são eleitos pelo Parlamento, e Jagland já foi primeiro-ministro. Em 2010, o Nobel da Paz dado ao dissidente chinês Liu Xiaobo levou Pequim a congelar suas relações diplomáticas com Oslo.

A situação dos direitos humanos na Rússia é alvo de crescentes críticas nos últimos meses, devido à repressão do governo contra a liberdade de expressão antes das eleições presidenciais. Mais recentemente, três integrantes da banda punk feminina Pussy Riot foram condenadas à prisão por terem feito um protesto contra o presidente Vladimir Putin numa catedral moscovita.

A lista de possíveis laureados russos inclui Svetlana Gannushkina e a ONG da qual ela participa, chamada Memorial. Outros citados são a rádio Ekho Moskvy e seu editor, Alexei Venediktov.

O comitê recebeu 231 indicações neste ano, incluindo de 43 organizações. A lista geralmente é reduzida a 25 a 35 nomes na primeira reunião do comitê, segundo seu secretário-executivo, Geir Lundestad. Em abril, a lista volta a ser reduzida, para cinco a sete nomes. A decisão é tomada cerca de duas semanas antes do anúncio.

O vencedor vai receber 8 milhões de coroas suecas (US$ 1,21 milhão ou R$ 2,46 milhões) - 2 milhões de coroas a menos do que no ano passado, já que a crise econômica afetou o espólio do cientista Alfred Nobel.

Com Reuters

    Leia tudo sobre: nobel da paznobel

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG