Com ventos de até 120 km/h, Isaac se transforma em furacão

Obama faz alerta a moradores da Costa do Golfo; em Nova Orleans, tropas são mobilizadas para evitar saques

iG São Paulo | - Atualizada às

A tempestade tropical Isaac ganhou força e se transformou em furacão nesta terça-feira, ao se aproximar da costa americana do Golfo do México e de Nova Orleans. Com ventos de 120 km/h, o Isaac é considerado um furacão de categoria 1 e a expectativa é que toque a terra na fim da noite desta terça-feira. 

O furacão deve alcançar Nova Orleans sete anos depois da destruição causada pelo furacão Katrina, em 2005 .

AP
Gus Williams dá comida para a neta em abrigo em Houma, na Louisiana, no qual buscaram proteção contra furacão Isaac


O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, fez um alerta a residentes da costa americana do golfo e pediu cautela à população. "Não é hora de corres riscos. Vocês precisam levar esse assunto a sério", afirmou.

Ele alertou ainda sobre possíveis alagamentos provocados pelo Isaac e pediu que os moradores deixem suas casas se forem instruídos pelas autoridades. "Ao nos prepararmos para a chegada do Isaac, quero encorajar todos os moradores da Costa do Golfo a ouvirem suas autoridades locais e seguir suas direções, incluindo se elas disserem para vocês saírem", disse Obama na Casa Branca, antes de partir para uma viagem de campanha de dois dias.

Moradores do Estado se preparam reforçando suas casas principalmente em Nova Orleans, devastada pelo furacão Katrina em 29 de agosto de 2005 . O Katrina, porém, foi muito mais forte, chegando a atingir a categoria 5, com ventos de 252 km/h.

O prefeito da cidade, Mitch Landrieu, não ordenou a retirada de moradores, mas pediu que eles fiquem em casa e estoquem todos os mantimentos que puderem. Diques reforçados após o Katrina teriam capacidade para aguentar furacões mais fortes que o Isaac, segundo autoridades.

Com fuzis automáticos para afastar qualquer ameaça de saques, as tropas da Guarda Nacional do Exército foram acionadas e chegaram em veículos militares para tomar posições em ruas quase desertas. Elas chegaram junto com a chuva e os ventos fortes, que começaram a atingir o famoso bairro francês da cidade.

Mais cedo, o Corpo de Engenharia do Exército começou a fechar pela primeira vez a nova comporta da maior barreira contra tempestades do mundo, no Lago Borgne, a leste de Nova Orleans.

Empresas de energia esvaziaram plataformas de petróleo em alto mar e fecharam refinarias da Costa do Golfo, já que a tempestade ameaça atingir o cinturão de refino de petróleo. Às 15 (horário de Brasília), o Centro de Furacões informou que o Isaac estava centralizado a cerca de 217 quilômetros sudeste de Nova Orleans, com ventos máximos sustentados de 120 km/h.

AP
A famosa Bourbon Street, no French Quarter de Nova Orleans, teve movimento reduzido por conta do mau tempo causado pela aproximação do Isaac

Sua velocidade de avanço estava relativamente baixa, a 16 quilômetros por hora, o que é uma preocupação para as pessoas no caminho da tempestade, uma vez que ciclones lentos podem causar chuvas mais pesadas.

O furacão Isaac mantém Nova Orleans em alerta, enquanto a cidade ainda luta para se recuperar do furacão Katrina, que devastou a região em 29 de agosto de 2005, matando mais de 1,8 mil pessoas e causando bilhões de dólares em danos. Depois do Katrina, o Corpo de Engenharia construiu um sistema de defesa de enchentes de US$ 14,5 bilhões com muros, comportas, diques e bombas, com intuito de proteger a cidade contra uma enorme onda como a que inundou Nova Orleans na esteira do Katrina.

Não há previsão de que o Isaac se fortaleça além de um furacão de categoria 1, a menor na escala Saffir-Simpson de cinco níveis. O Katrina foi uma tempestade de categoria 3, mas a amplitude do sistema do Isaac fez os meteorologistas preverem vastas inundações.

Convenção

Obama declarou estado de emergência em Lousidiana, Mississippi, Alabama e Flórida, Estado onde ocorrerá, a partir desta terça-feira, a convenção do Partido Republicano que oficializa a candidatura de Mitt Romney à presidência dos EUA.

Inicialmente Romney planejava chegar a Tampa na quinta-feira para aceitar ser o candidato do partido, mas decidiu viajar nesta terça-feira para estar à disposição de sua mulher no pódio, segundo um dirigente de sua campanha eleitoral.

Os republicanos empenhados em salvar a convenção enfrentam um duro desafio: ajudar Romney a fazer declarações agressivas e memoráveis para conquistar o lugar do democrata Barack Obama na Presidência do país e, ao mesmo tempo, tomar cuidado para demonstrar sensibilidade em relação às pessoas que estarão sob risco durante a tempestade Isaac, que está a caminho de se tornar um furacão.

Os delegados reunidos para o evento, tipicamente festivo e partidário, estão também sob pressão para evitar atitudes de celebração enquanto a costa americana no Golfo do México estiver sob ameaça.

A convenção terá como ponto culminante o discurso de Romney aceitando a candidatura, televisionado para todo o país, no que será o pronunciamento de maior envergadura de sua vida política até o momento. Ele passou os últimos dias ensaiando em sua casa de veraneio em Wolfeboro, no Estado de New Hampshire.

*Com Reuters e BBC

    Leia tudo sobre: IsaacfuracãotempestadeNova Orleans

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG