Em ampla vantagem, favorito encerra campanha presidencial no México

Segundo pesquisas, opositor Peña Nieto tem de 10 a 17 pontos de vantagem para eleições de domingo, quando 79,5 milhões devem ir às urnas

AFP |

AFP

Diante de uma multidão a quem prometeu segurança e crescimento econômico, o candidato do Partido Revolucionário Institucional (PRI), o opositor Enrique Peña Nieto , favorito para conquistar a presidência do México no domingo, encerrou nesta quarta-feira sua campanha com ampla vantagem sobre o esquerdista Manuel López Obrador .

Entrevista ao iG: Favorito à presidência do México quer parceria com Brasil

AP
Candidato presidencial do PRI, Enrique Penã, é visto durante comício de fechamento de campanha em Toluca, México

Eleição: Pesquisa dá 13 pontos de vantagem ao opositor Peña Nieto no México

"Queremos um país que volte a ser seguro, em paz e com liberdade, melhores condições de vida e crescimento econômico, é o maior compromisso que quero cumprir", disse Peña Nieto em uma grande praça de Toluca, capital do Estado do México (centro), onde nasceu e foi governador.

Peña Nieto, que se apresenta como a figura renovada para a volta ao poder do partido que governou o México por 71 anos, encerrou a campanha com entre 10 e 17 pontos de vantagem sobre López Obrador e a mais de 20 da conservadora Josefina Vázquez Mota , do governista Partido Ação Nacional (PAN), segundo pesquisas divulgadas nesta quarta-feira.

"Peço a vocês um voto de confiança. Estamos na reta final. Vamos combater as causas da pobreza", disse Peña Nieto na cidade localizada a 70 km da capital mexicana, sem mencionar a violência que os cartéis do narcotráfico causam.

Desde que o presidente Felipe Calderón chegou ao poder, em 2006, sua ofensiva militar para combater as drogas deixou mais de 50 mil mortos .

Peña Nieto, advogado de 45 anos, recuperou nos últimos dias o espaço que tinha perdido nas pesquisas, depois de uma série de protestos de jovens que pediam para que os eleitores não votassem no PRI, cujos governos são acusados de autoritarismo e corrupção.

Violência: Cartéis do México travam guerra sangrenta por rotas que levam aos EUA

Leia também: Saiba mais sobre os cartéis de drogas do México

A violência desencadeada pela guerra frontal aos cartéis das drogas e a pobreza que afeta quase metade dos 115 milhões de mexicanos, apesar de certa estabilidade macroeconômica, explicaria, segundo os analistas, uma derrota do PAN.

A campanha, que começou em 30 de março, termina nesta quarta-feira. A partir de quinta-feira, estão proibidas propagandas e pesquisas eleitorais antes da eleição, que não tem segundo turno. No domingo, 79,5 milhões de mexicanos devem ir às urnas para eleger o presidente para o período 2012-2018 e para renovar o Congresso.

    Leia tudo sobre: méxicoeleição no méxicopeña nietoobrador

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG