Decisão de Bruno e denúncia de promotor surpreendem no 2º dia de julgamento

Segundo dia de julgamento foi aberto com a decisão de Bruno trocar de advogado e fechou com pedido de promotor para excluir testemunhas. Depoimentos foram duros contra os réus

Carolina Garcia - enviada a Contagem (MG) | - Atualizada às

O segundo dia de julgamento do ex-goleiro Bruno Fernandes, Macarrão e Fernanda Gomes, acusados de envolvimento no desaparecimento da modelo Eliza Samudio, foi mais uma dia repleto de polêmicas. No período da manhã, o ex-goleiro surpreendeu a todos quando pediu a destituição do seu principal advogado, Rui Pimenta .

Saiba tudo sobre o julgamento do caso Bruno
1º dia: Desgastante, primeiro dia de julgamento do caso Bruno é pouco produtivo

Flávio Tavares/Hoje em Dia/Futura Press
Goleiro Bruno durante o segundo dia de julgamento no Fórum de Contagem (MG), na manhã desta terça-feira

A saída de Rui Pimenta surpreendeu inclusive ao assistente Francisco Simim, que acabou virando o principal defensor do ex-goleiro. Para substituir Pimenta, Simim convocou horas depois o advogado Tiago Lenoir para compor a equipe de defesa. A polêmica seguiu do plenário às redes sociais. Em seu Twitter, o criminalista postou que a defesa de Bruno continuava “falando asneira”. Ele chegou a apostar uma caixa de cerveja que Bruno poderia ser condenado a 38 anos de prisão.

Aos jornalistas, Lenoir afirmou que postou sua opinião "como um cidadão comum" já que não fazia parte da equipe de defesa do ex-goleiro .

Já no final da audiência, encerrada por volta das 18hs, o promotor Henry Wagner Vasconcelos pediu a dispensa de “cinco ou seis testemunhas de defesa” que foram flagradas pela Polícia Militar utilizando celulares . Caso a denúncia seja confirmada representaria a quebra de incomunicabilidade imposta a eles, inviabilizando a participação no Tribunal do Júri.

Mais do segundo dia:  Segundo dia de julgamento termina com abraços e beijos para Bruno e Macarrão

Oitivas de acusação

Os trabalhos no Tribunal do Júri foram mais proveitosos nesta terça-feira. Ao todo, três pessoas foram ouvidas no segundo dia do julgamento. São elas: João Batista, funcionário e caseiro de Bruno, Ana Maria dos Santos, delegada que participou das investigações , e Jaílson Alves de Oliveira, detento que ouviu a confissão de Bola . Com isso, encerrou-se o período de oitivas da acusação.

A partir desta quarta-feira, juíza Marixa Fabiane Lopes e as equipes de defesa e acusação dão início aos interrogatórios dos arrolados pelos defensores dos réus. A magistrada encerrou os trabalhos dizendo que decidirá na quarta-feira se irá suspender as testemunhas .

    Leia tudo sobre: caso brunogoleiro brunojulgamento

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG