Caseiro de Bruno e delegada confirmam versão da polícia sobre morte de Eliza

Em depoimento, policial contou como primo do ex-goleiro narrou asfixiamento da modelo. “Ela foi arregalando os olhos, que ficaram vermelhos. A boca dela ficou espumando e ela caiu ali, morta”

Carolina Garcia - enviada a Contagem (MG) | - Atualizada às

Até o intervalo para almoço, iniciado por volta das 14h20, o Tribunal do Júri ouviu duas testemunhas arroladas pela acusação no segundo dia do julgamento sobre a morte da modelo Eliza Samudio, de 24 anos. Foram elas: o caseiro João Batista e a delegada Ana Maria dos Santos, que participou das investigações da Polícia Civil. O primeiro depoimento do dia era considerado chave pela acusação já que Batista acompanhou o ex-motorista Cleiton Gonçalves na delegacia na época dos fatos.

Saiba tudo sobre o julgamento do caso Bruno

Pedro Vilela/Futura Press
Bruno, Dayanne, Macarrão são fotografados no início da sessão desta terça-feira (20), em Contagem

Segundo o caseiro, em relato que durou ao menos uma hora, ele presenciou o depoimento do motorista do começo ao fim, quando, segundo ele, Cleiton foi ouvido pela polícia “espontaneamente e em um ambiente tranquilo”. Tal afirmação contraria o depoimento dado ontem pelo motorista. Ele afirmou ao júri que foi constantemente ameaçado e coagido .

Leia também
Novo advogado de Bruno vai insistir na tese de que Eliza está viva 
Manobra de Bruno falha e Dayanne será julgada com Bola
Desgastante, primeiro dia de julgamento do caso Bruno é pouco produtivo

Outro ponto que gerou controvérsia foi a presença de algemas durante a oitiva. Batista disse que a testemunha “tinha as mãos livres como nós aqui”. No entando, Cleiton havia afirmado que ficou algemado por tanto tempo que “não sentia os braços”. Embora o depoimento tenha sido contraditório, o promotor Henry Wagner Vasconcelos decidiu liberar Batista, cancelando a acareação que havia sido anunciada ontem pela acusação e assessoria do Tribunal de Justiça.

O segundo relato do dia foi o da delegada Ana Maria dos Santos, que chefia a Delegacia de Homicídios de Contagem e participou das investigações. Ana foi ouvida por quase três horas, entre as 11h40 e 14h20, como uma autoridade policial e não testemunha de acusação. Ela disse que as investigações começaram no dia 24 de junho de 2010, quando a delegada Alessandra Wilker recebeu telefonema sobre um espancamento e assassinato de uma mulher na região de Contagem.

“A denúncia já dava o nome de Eliza Silva Samudio e foi reforçada no dia seguinte (25) sobre morte, espancamento e relação da vítima com um goleiro do Flamengo”, disse. Ana reforçou ainda que a nova denúncia citava a existência de uma criança. “Houve um cuidado extra, pois buscávamos evitar um novo homicídio.”

Ana Maria reforçou toda a versão do caso dada pela polícia noticiada pela imprensa. Para ela, os três que mais fizeram esforço para esconder a criança foram Dayanne Rodrigues, Elenílson Silva e Wemerson Marques, o Coxinha. Segundo a policial, a ex-mulher de Bruno teve participação ativa no sequestro da criança já que a teria entregado para estranhos nas margens da rodovia BR-040.

Morte e corpo

Ela citou também o depoimento do então menor Jorge Lira, hoje com 19 anos, prestado à Vara da Infância e Juventude. Na ocasião, ele contou como teria ocorrido a morte e o possível destino do corpo de Eliza. A delegada informou que todas as declarações foram acompanhadas a portas abertas pela assistente jurídica Renata Garcia, também arrolada pela acusação e que foi ouvida por carta precatória.

Segundo Jorge, em depoimento à delegada Ana, Macarrão fez contato com um homem, conhecido como Neném ou Bola. Ele usava uma calça camuflada do Exército e, na estrada, fez sinal para que o carro onde o amigo de Bruno estava o seguisse. Chegando a residência em Vespasiano (MG), Macarrão e Bola tiveram uma conversa reservada em uma sala. Neste momento, Macarrão, que acompanha do banco dos réus fez sinal de negativo com a cabeça.

O momento mais tenso do depoimento da delegada foi a narração da morte de Eliza, segundo as palavras de Jorge. A modelo teria tido as mãos amarradas por Macarrão e asfixiada por Bola. “Ela foi arregalando os olhos, que ficaram vermelhos. Jorge disse: ‘é horrível lembrar disso’. A boca dela ficou espumando e ela caiu ali, morta”. Macarrão, antes apático, ficou inquieto em sua cadeira e não economizou expressões de descontentamento com o depoimento da delegada. Já Fernanda, ficou lendo sua Bíblia.

A policial disse ainda que toda a narrativa de Jorge “passou bastante credibilidade” deixando a testemunha e sua escrivã “impressionadas”. “A riqueza de detalhes e como ele se emocionou durante a narrativa mostrou que ele falava a verdade. Aquilo nos atingiu, nos emocionou.” O confronto maior veio com as perguntas da defesa de Macarrão, que questionou as perícias e diligências do processo. A delegada não soube especificar quantas vezes os sítios de Bola e Bruno e os lagos foram investigados.

Após os depoimentos, a juíza Marixa Fabiane Lopes determinou que fosse realizado o intervalo para almoço com duração de uma hora aproximadamente. Neste segundo dia, outras duas testemunhas de acusação ainda devem ser ouvidas. São elas: Alessandra Wilker (delegada que também participou das investigações) e Jaílson Alves de Oliveira (detento que teria ouvido a confissão do ex-policial Bola sobre a morte de Eliza).

    Leia tudo sobre: goleiro brunocaso brunojulgamentoeliza samudio

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG