Cuba indica que permitirá viagens de dissidentes sob nova lei

Por Reuters | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Yoani Sanchéz recebeu garantias de que poderá viajar quando tiver passaporte, enquanto Fariñas foi informado por funcionário de que poderá ir ao exterior livremente

Reuters

Reuters

AP
A blogueira cubana Yoani Sánchez em foto de 2011

As novas regras que dão mais liberdade aos cubanos para sair do país, que entraram em vigor na segunda-feira, surpreenderam dissidentes famosos, como Yoani Sánchez e Guillermo Farinas, que foram informados que receberão passaportes e poderão viajar quando e para onde quiserem, após vários anos de restrições.

Primeiro dia de lei sobre viagens ao exterior: Cuba têm filas em agências de turismo

Fim do 'cartão branco': Cuba derruba exigência de permissão para deixar país

Saúde: Cuba deve livrar médicos de rígidas restrições a viagens para fora da ilha

De acordo com leis adotadas depois da revolução de 1959, com o objetivo de restringir a emigração, os cubanos até agora precisavam solicitar um visto de saída quando quisessem viajar, apresentando para isso uma carta-convite de alguém no país de destino. Essas medidas agora deixaram de vigorar.

Farinas, que realizou na sua casa, em Santa Clara, várias greves de fome contra o regime comunista, disse ter ficado surpreso por receber uma visita de autoridades que lhe informaram sobre a possibilidade de viajar livremente.

"Estava realmente cético, porque havia um artigo na nova lei dizendo que os cubanos que ameacem o interesse público não poderão sair de Cuba. Achei que estava nessa esfera, mas parece que não", disse Farinas, que é psicólogo.

Ele disse que terá seu passaporte renovado em breve e planeja ir à Europa receber vários prêmios que ganhou nos últimos anos. Isso inclui o Prêmio Sakharov da Liberdade de Pensamento, concedido em 2010 pelo Parlamento Europeu.

Sakharov: Prêmio é entregue na ausência do dissidente cubano Fariñas

Yoani, conhecida internacionalmente por seu blog "Generación Y", não foi localizada, mas divulgou a boa notícia no seu Twitter. Ela disse que foi na segunda-feira a um órgão de Havana que emite passaportes, onde "o funcionário que me atendeu me garantiu que, quando tiver um passaporte, poderei viajar". "Ainda não acredito! Quando estiver no avião, vou acreditar!", comentou.

A blogueira disse que em 20 ocasiões as autoridades cubanas a proibiram de viajar. Ela contou que espera receber seu novo passaporte no começo de fevereiro.

Yoani Sanchéz: Blogueira de Cuba ensina o ativismo online sem internet

O dissidente Elizardo Sánchez, que dirige a Comissão Cubana de Direitos Humanos - um órgão independente, tolerado pelo regime - disse que ainda não tem certeza de que Farinas e Sánchez poderão deixar Cuba.

"Até que eles estejam naquele avião não podemos ter certeza de nada. Já aconteceu no passado de as pessoas chegarem ao aeroporto e o governo dizer que não", comentou o dissidente à Reuters.

Saiba mais: Veja o especial do iG sobre a vida em Cuba

AP
Pessoas esperam para entrar em Seção de Interesses dos EUA para pedir visto americano em Havana, Cuba

Especial de 2010: Mesmo sob risco de perder direitos, cubanos sonham em partir

As novas regras causaram filas para a emissão de passaportes nas últimas semanas, e isso voltou a acontecer na segunda-feira, quando muitos cubanos foram até os órgãos competentes para solicitar novos passaportes ou a renovação dos já expirados.

Alguns ainda não perceberam isso, mas os cubanos devem continuar enfrentando obstáculos de muitos países que exigirão vistos de entrada e cartas-convites. E, num país onde o salário médio é de US$ 20 mensais, o dinheiro será um problema para muita gente.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas