Ministro da Educação faz apelo para que professores não entrem em greve e defende a valorização da carreira docente

O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, reconheceu nesta quinta-feira (1º) que o reajuste de 22,2% no piso nacional do magistério é elevado e que algumas prefeituras e Estados terão dificuldade com as novas folhas de pagamento.

Entenda: Após Carnaval, greves ameaçam parar aulas no País

Mercadante durante participação no programa de rádio
Agência Brasil
Mercadante durante participação no programa de rádio "Bom Dia, Ministro"
"É um reajuste elevado. Evidente que há prefeituras e alguns poucos Estados que tem dificuldades. [...] Para este ano de 2012, a lei é esta, nós já divulgamos os parâmetros e a lei é para ser cumprida. Todo mundo sabia que a regra era essa", comentou o ministro ao participar do programa Bom Dia, Ministro, produzido pela EBC Serviços em parceria com a Secretaria de Comunicação da Presidência. Futuramente, Mercadante sugeriu que o Congresso Nacional ouça gestores e professores e busque uma solução "sustentável e progressiva".

"Não podemos congelar o piso. Tem que continuar crescendo, porque ele está muito distante ainda de um valor que possa atrair bons profissionais. [...] Estamos falando de dois salários mínimos, é pouco para o Brasil", destacou o ministro.

Greve

Ele fez um apelo a professores e gestores municipais para que busquem o entendimento e evitem paralisações. “É preciso equilíbrio, responsabilidade. Os professores têm que ajudar para que isso seja absorvido e para que não haja retrocesso”, ressaltou. O ministro lembrou que as greves afetam diretamente os alunos. "Quem paga essa conta é o estudante. [...] Não podemos ter greves prolongadas e recorrentes, porque isso compromete a qualidade do ensino e a evolução do Brasil"

O novo piso foi anunciado na última segunda-feira (27) e elevou o salário dos professores de R$ 1.187 para R$ 1.451 . O valor estipulado para este ano acompanha o aumento do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) de 2011 para 2012, conforme determina a legislação atual.

Alguns estados e municípios alegam dificuldade financeira para pagar o valor determinado. Governadores reuniram-se ontem (29) com o presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia (PT-RS), e pediram a aprovação de um projeto de lei que altere o critério de correção do piso, que passaria a ser feito com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que mede a inflação.

Mercadante lembrou que, em alguns Estados, 57% da folha de pagamento são destinados a pagamento de aposentados. “Não é só um problema do piso, há problemas localizados”, avaliou. Para o ministro, a qualidade da educação constitui o maior desafio histórico brasileiro e, sem incentivo financeiro, os bons profissionais não vão querer lecionar.

Pré-sal

Mercadante voltou a defender a proposta de vincular os recursos do pré-sal à educação, apresentada na última quarta-feira durante audiência pública no Senado . “O Congresso poderia aprovar a lei do pré-sal distribuindo com mais equilíbrio, respeitando os Estados produtores de petróleo, mas vinculando pelo menos um terço do pré-sal à educação, ciência e tecnologia”, declarou, destacando que se trata de uma ideia pessoal e não da posição oficial do governo.

* Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.