Quase 6 milhões de jovens fazem o primeiro Enem da lei das cotas

Reserva de vagas nas federais influencia o empenho dos estudantes que participarão do exame. As notas serão usadas para selecionar, pelo menos, 120 mil universitários

Priscilla Borges - iG Brasília |

Os estudantes do 3º ano do ensino médio do Centro Educacional 1 do Cruzeiro, em Brasília, aguardam ansiosos a hora de fazer o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) . Para eles, há um novo estímulo para resolver as questões e a redação que serão aplicadas neste sábado e domingo, a partir das 13h (horário de Brasília). Mais do que nunca, a entrada na universidade parece mais próxima.

A explicação está na lei nº 12.711, sancionada pela presidenta Dilma Rousseff em agosto, que cria cotas de 50% das vagas para egressos da rede pública em todas as instituições federais. Hoje, pelo menos 115 instituições utilizam as notas do Enem para selecionar universitários. Só no Sistema de Seleção Unificada (Sisu) serão oferecidas pelo menos 120 mil vagas.

“É um estímulo a mais, com certeza. E acho que quando todas as vagas do sistema de cotas forem oferecidas, mais gente ainda vai se candidatar”, afirma Milena de Souza Faria, 17 anos. Aluna do CED 1 do Cruzeiro, ela recorda que a lei será cumprida gradualmente. Este ano, as universidades são obrigadas a reservar 12,5% das vagas para as cotas, pelo menos.

Alan Sampaio / iG Brasília
Estudantes do Centro Educacional 1 do Cruzeiro consideram cotas um estímulo a mais para o Enem

Milena e os colegas Jéssica de Albuquerque, 17, Alessandro Campos, 17, Pedro Matta, 18, Mateus dos Reis, 17, e Mylena Araújo, 18, sentem que a medida é uma “valorização tardia da escola pública”. Mas se dizem animados com a medida. “A prioridade sempre foi de quem tem mais. A universidade pública deveria ser para aluno de escola pública”, afirma Pedro.

Os alunos se preparam com mais ânimo, mas sabem que o desafio imposto pelo Enem não é simples. No primeiro dia, sábado, eles enfrentarão quatro horas e meia para responder questões de ciências humanas e ciências da natureza. No domingo, farão as provas de linguagens e códigos, matemática e redação. São cinco horas e meia de avaliação.

Guia Enem 2012: conheça todas as regras do exame

“É uma prova muito longa, dá medo de não conseguir terminar”, comenta Jéssica. Para Mateus, é difícil saber o que esperar dos testes e, por isso, a ansiedade é grande. “O conteúdo não é difícil. O difícil é ela ser tão cansativa”, analisa Mylena.

Outros 1,2 milhão de estudantes que estão concluindo o ensino médio na rede pública vão fazer o Enem este ano. Ao todo, 5,7 milhões de candidatos se inscreveram no exame. Desse total, 4 milhões ganharam isenção da taxa (o que significa que boa parte deve ter estudado na rede pública, mas alunos de baixa renda também não pagam).

Preocupação com a concorrência

Arquivo pessoal
Marina Krumholz acredita que as cotas vão aumentar o desafio - e o nervosismo - dos estudantes das particulares no Enem

Se os egressos da rede pública têm um ânimo extra para fazer as provas com a aprovação da lei das cotas, os alunos da rede privada ganharam preocupação. Com as vagas divididas, eles temem um grande aumento da concorrência em cada uma delas. Marina Krumholz, 17 anos, aluna do Colégio Israelita Brasileiro A. Liessin, no Rio de Janeiro, diz que é um desafio a mais.

Dá tempo: Veja vídeo com dicas para uma boa redação

“Com certeza, é um nervosismo e um desafio a mais. As vagas até mesmo nas faculdades particulares ficam mais concorridas porque alguns deixam de fazer pública e optam pela particular porque ficou muito difícil”, avalia. Para Luisa Newlands, 17, estudante da Escola Eliezer Steinbarg Max Nordau, também no Rio, o cenário será ruim no futuro.

“A UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) está adotando só 30% das vagas para cotas, então agora não vai ser tão difícil como depois que adotarem 50%”, analisa. Luisa não concorda com as cotas, porque acredita que o problema não é o acesso à faculdade, mas a qualidade da educação.

Fique ligado: Entenda as novas regras da redação
Faça o teste: 
Quanto vale sua redação do Enem?

Laura Becker, 17, que pretende disputar uma das vagas oferecidas pela UFRJ em Administração, também é contra a política de cotas. Estudante da Escola Parque, do Rio de Janeiro, ela acredita que a medida não resolve a situação vivida pelos alunos da rede pública. E nem dos negros, também beneficiados dentro da lei.

“Deve ser muito frustrante para quem estuda na escola pública tentar correr atrás, mas não conseguir vaga. A culpa não é deles, a culpa é do governo. As cotas dão uma chance para eles, mas o governo não deveria mudar o sistema para entrar na universidade e, sim, a educação”, diz. “Não necessariamente negro estuda em escola pública. Tem três negros na minha sala que é uma escola de classe média alta. Com certeza vão entrar”, afirma.

Números impressionantes

Arquivo pessoal
Luisa Newlands discorda das cotas porque acredita que o problema não é o acesso e sim a qualidade do ensino na rede pública

A operação logística que envolve o Enem impressiona pelos números. Para controlar o envio das provas aos 15 mil locais onde serão aplicadas, foram mobilizados o Exército, a Polícia Federal, a Polícia Rodoviária e a Polícia Militar. Quase 20 mil agentes de escolta das secretarias de Segurança Pública de todos os estados também vão trabalhar no processo e o Ministério da Educação fechar 10 mil malotes de provas com lacres eletrônicos em caráter experimental.

Por dentro do Enem: Saiba tudo sobre o exame e o Sisu

Dos 5,7 milhões de estudantes que vão as provas, 54% dos inscritos se declararam pretos, pardos ou indígenas. Esse é o perfil do recorte racial que deve ser feito dentro do programa de cotas das universidades. A grande maioria é formada por mulheres: 3,4 milhões (59%). São Paulo é o Estado com mais inscritos (932.493); seguido por Minas Gerais (653.074) e Bahia (421.731).

A maioria dos participantes já concluiu o ensino médio: 3,2 milhões. Pouco mais de 1,5 milhão está concluindo este ano e 638 mil buscam uma certificação de conclusão da etapa com o exame.

Para que serve o Enem

O Enem tem múltiplas funções:

- Selecionar estudantes para universidades pelo Sisu e Prouni

- Critério para participação em programas governamentais como o financiamento estudantil (Fies) e o Ciência sem Fronteiras

- Certificação de conclusão do ensino médio

- Avaliação da qualidade do ensino médio no País (e nas escolas)

- Auto-avaliação do desempenho acadêmico do aluno

* Colaborou Priscila Bessa, iG Rio de Janeiro

    Leia tudo sobre: enem2012enemensino médioprovas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG