Enade passará a ser aplicado aos alunos do penúltimo semestre

Mercadante anunciou que exame que avalia cursos superiores terá novas regras para evitar fraudes

iG São Paulo |

Agência Brasil
Ministro Aloizio Mercadante participou de audiência pública na Câmara dos Deputados sobre o Plano Nacional da Educação
O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, anunciou hoje (14) que o governo irá mudar algumas regras do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) para que não seja permitido “procedimento que não assegure a efetiva avaliação dos alunos”. De acordo com o ministro, a prova será aplicada também aos alunos do penúltimo semestre – antes o exame era restrito aos formandos. A mudança já entrará em vigor este ano.

Denúncia: MEC pede a Unip explicação sobre suposta fraude no Enade
Resposta da Unip: “Não escondemos nenhum aluno”, diz vice-reitora da Unip
Sugestão de solução: Cristovam Buarque defende nota do Enade no diploma

A decisão vem após a divulgação de denúncias encaminhadas ao Ministério da Educação (MEC) sobre uma possível manipulação da participação dos alunos no Enade por parte da Universidade Paulista (Unip) . A faculdade supostamente reteria os “maus alunos” no penúltimo semestre para que eles não fossem inscritos no Enade. Assim, só os alunos mais preparados participariam da avaliação, elevando as notas dos cursos. O MEC solicitou que a instituição encaminhe todas as informações para que o caso seja investigado.

“Isso resolve o problema que nós identificamos de postergar a formatura do aluno por um semestre, intencionalmente ou não, para poder eventualmente melhorar o desempenho no Enade. Nós queremos que todos eles façam a prova para que a gente tenha a verdadeira avaliação da instituição”, disse o ministro.

O Enade é aplicado anualmente pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) a estudantes concluintes e ingressantes de cursos superiores de universidades públicas e particulares. A cada ano é avaliado um grupo específico de cursos de graduação. O objetivo da prova é avaliar a qualidade do ensino oferecido pelas instituições. Aquelas que apresentam resultados insatisfatórios podem sofrer sanções pelo MEC, como corte de vagas e até fechamento do curso.

A Unip nega qualquer tipo de manobra ou irregularidade na inscrição dos alunos . De acordo com a direção da universidade, a melhoria dos resultados nas últimas edições do Enade é resultado das inovações implantadas pela instituição em seus cursos.

Propaganda questionada: Unip diz que brilha na OAB, mas aprova apenas 6,7% dos bacharéis

Audiência na Câmara
As declarações do ministro sobre o Enade foram dadas em audiência pública na Câmara dos Deputados, para tratar do Plano Nacional da Educação . Na reunião, Mercadante defendeu que a proposta que rege metas e desafios para área em 10 anos seja aprovada no primeiro semestre. Ele também defendeu que as universidades públicas deveriam oferecer mais programas de formação de professores da educação básica e pediu há apoio da Câmara para aprovação do projeto que cria 44 mil cargos efetivos, de direção e funções gratificadas, em universidades públicas federais e escolas técnicas federais.

*Com Agência Brasil e Agência Câmara

    Leia tudo sobre: UnipEnadeensino superiorMercadante

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG