Da periferia para a universidade: "Sei que vou sofrer preconceito"

Por Osvaldo de Brito - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Egressos de escola pública vivem euforia da aprovação em universidades públicas em meio à preocupação sobre como conseguirão se manter em outras cidades e Estados

Talita Reis: aprovada em arquitetura na Unb
Talita Reis
Talita Reis: aprovada em arquitetura na Unb

A família de Talita Reis ainda está acabando de conseguir o dinheiro para que a jovem viaje até a capital federal para fazer a matrícula na Universidade de Brasília (UnB). Caçula de quatro irmãos e filha de pais que não completaram o ensino médio, a garota é, aos 19 anos, a primeira da casa a chegar no ensino superior. E fez bonito. Conseguiu uma vaga no curso de arquitetura em uma universidade pública.

A conquista foi graças à boa nota no Enem. Moradora do bairro dos Pimentas, na periferia de Guarulhos, na Grande São Paulo, ela sempre estudou em escolas públicas. No último ano do ensino médio, os professores indicaram um cursinho comunitário. “Como era gratuito, fiz a inscrição e comecei a frequentar às aulas. Durante a semana, estudávamos no período da noite e, aos sábados e domingos, das 8 às 14h . Em alguns finais de semana as aulas terminavam às 16h”, conta.

Valeu a pena. Talita disputou com quase 3 milhões de pessoas e garantiu, por meio do Sisu, uma das 228 mil vagas oferecidas em 6.323 cursos de 131 instituições públicas. Ela concorreu às vagas do Sisu nas três modalidades de cotas: estudantes de escola pública; pretos, pardos e indígenas, e também baixa renda. De acordo com o MEC, foram 28 candidatos por vaga na Lei de Cotas, e 24, 8 candidatos por vaga na ampla concorrência.

Com a nota obtida no Enem 2015, Talita se classificou para a Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT) e para a UnB. Escolheu a última. Na Unb, os candidatos ao curso de arquitetura e urbanismo realizam uma prova de habilidades específicas e, se aprovados, disputam as vagas para o curso utilizando a nota do Enem. “Sempre quis arquitetura e nunca tinha ido a Brasília. Quando cheguei lá pra fazer a prova de habilidades específicas, tive a certeza que era onde eu queria estudar”, conta.

Na segunda-feira (18), a estudante estava acompanhada do pai, da mãe e de três amigas do cursinho quando saiu o resultado da seleção.“Para ser sincera, ainda não estou acreditando que consegui. Acho que só quando eu estiver na universidade vou perceber que é verdade!”.

Sisu: 28 candidatos por vaga na Lei de Cotas, e 24, 8  candidatos por vaga na ampla concorrência
Elza Fiuza/Agência Brasil
Sisu: 28 candidatos por vaga na Lei de Cotas, e 24, 8 candidatos por vaga na ampla concorrência







Custo de vida

Garantida a matrícula, o desafio de Talita e de outros tantos egressos de escolas públicas é conseguir recursos para se manter longe de casa. E daí entra outra seleção: a das bolsas de auxílio estudantil.  "Já pesquisei bastante. Chegando à UnB, vou tentar a bolsa permanência e moradia estudantil. Optei pelo curso noturno, porque se não conseguir nenhum auxílio, vou procurar emprego durante o dia", explica. Segundo a garota, o resultado será divulgado no mês de abril.

Talita sabe que, além desse, enfrentará outros desafios para se formar em arquitetura. "Tenho noção que temos direito em ocupar todos os espaços, incluindo as universidades públicas, mas sei que vou sofrer preconceito. Amigos que conheci no cursinho e já fazem faculdade, relatam os casos. Mas o nosso lema é 'Juntos somos fortes'. Não estarei sozinha. Espero que cada vez mais pessoas como eu, do meu bairro e da minha escola sejam aprovadas", conclui.

Confira outros relatos:

Estudar enfermagem é o objetivo de Eduardo Silva, de 18 anos, morador do Jardim Cumbica, também em Guarulhos. Esta foi a primeira vez que ele tentou uma vaga no Sisu, e foi aprovado na Universidade Federal de São Carlos (Ufscar). "Não tentei cotas para escola pública, nem por renda, por um erro meu no ato da inscrição do Sisu. Mas no final consegui, mesmo assim", relata.  O jovem ainda aguarda os resultados do vestibular da USP de Ribeirão Preto.

Eduardo, que é filho único, diz que a mãe está preocupada com a partida do filho. "No cursinho, havia reuniões com os pais, e um dos temas tratados era, justamente, se preparar para quando o filho vai estudar fora", explica. "Como eu queria enfermagem e desde o início só tentei universidades no interior, ela está se acostumando aos poucos", conta. O jovem também vai pleitear auxílios para a permanência em São Carlos, ou, mesmo em Ribeirão Preto, caso seja aprovado.

Isabella Viana, de 18 anos, foi selecionada para cursar medicina veterinária na Universidade Federal de Lavras (UFLA), em Minas Gerais. Esta é a segunda vez que a jovem, estudante de escola pública, concorreu às vagas do Sisu. “Quando terminei o ensino médio, não fui aprovada no curso que queria. Então, em 2015, comecei a estudar no cursinho comunitário oferecido pela Unesp de São José dos Campos. As aulas eram durante a semana das 13h30 às 20h, com simulados em alguns sábados e plantão de dúvidas”, conta.

A escolha da instituição em Lavras se deu por duas razões: a indicação de um dos professores do cursinho – que comentou que a irmã dele estudava lá e que o curso é muito bom – e porque a jovem tem parentes em Cambuquira, cidade razoavelmente próxina. "Minha família está receosa em como vou me manter, mas vou tentar obter os auxílios estudantis", afirma Isabella, que participou do Sisu com as cotas para escola pública e baixa renda.

A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) foi o local escolhido por Juanitha Brito para cursar direito. A garota de 18 anos, moradora do bairro Jaraguá, em São Paulo, sempre estudou na rede pública. Quando terminou o ensino médio, tentou uma das vagas oferecidas pelo Sisu, mas não foi selecionada. Em 2014, começou a estudar no Cursinho da Poli. Após dois anos de dedicação, conseguiu. Juanitha concorreu às vagas do Sisu com cotas nas modalidades escola pública, baixa renda, e negros, pardos e indígenas. "Ainda faltam os resultados da USP e da Unesp (Universidade Estadual Paulista). Em todo caso, farei a matrícula na UFRJ", diz. "Meus pais estão um pouco aflitos com a minha partida para o Rio, mas lá eu vou tentar os auxílios aos estudantes", explica.

Leia tudo sobre: BrasilEducaçãoSisuEscola PúblicaEstudantes

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas