Falta de informação é principal reclamação de alunos que tentam Fies

Por Cristiane Capuchinho - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Enfrentando falhas na página do Fies, estudantes dizem que explicações dadas pelo MEC e pelas instituições não batem

Há mais de um mês Walquíria Cristina Santos, de 45 anos, e o filho Gabriel, de 19 anos, fazem plantão em frente ao computador para tentar, sem sucesso, a inscrição no Fies (programa federal de financiamento estudantil). Gabriel está matriculado no curso de engenharia mecânica da Universidade Positivo, em Curitiba. 

O problema vem sendo enfrentado por milhares de estudantes desde o dia 23 de fevereiro, quando o sistema passou a aceitar novos contratos para crédito. Com falhas na página do Fies e explicações desencontradas dadas pelo Ministério da Educação e pelas instituições, os estudantes reclamam principalmente de falta de informação. 

"Nós temos nos revezado na madrugada para tentar entrar no site, mas não conseguimos concluir a inscrição. Já aconteceu de não aparecer o curso, de não aparecer o botão prosseguir, mas o mais comum é o erro M321 [Limite de vagas esgotado]", conta Walquíria. 

A instituição afirma que o limite não existe e indica a persistência para seus alunos. Com uma mensalidade de quase R$ 2.000 para pagar, ela diz que vai insistir na página do Fies, mas se sente enganada. "É muito desencontro de informações." 

Em Catalão (Goiás), Shennara Peixoto, de 25 anos, passa o dia tentando fazer a inscrição no programa de crédito. A assistente administrativa conta que abandonou sua vaga em administração na Universidade Federal de Goiás com a promessa de que teria o crédito para pagar seu curso de direito. No entanto, sem a inscrição no Fies e com o marido desempregado, ela não sabe como pagará a mensalidade de cerca de R$ 750.

"Eu consegui pagar a matrícula e a mensalidade do mês passado. Tive que vender minha férias no trabalho pra pegar o dinheiro e pagar a desse mês. A partir de abril, não terei mais como pagar", diz Shennara. 

A assistente administrativa reclama da falta de informação correta para poder se programar. "Quero saber, se realmente existe um número x de vagas, e onde posso buscar essa informação concreta. Isso é o suficiente para saber se devo continuar tentando ou já posso pensar em outra saída", diz.

Leia tudo sobre: fiesensino superiorenem

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas