Por causa do calor, MPF dá seis meses para UnB instalar ar-condicionado em salas

Por Cristiane Capuchinho - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Universidade de Brasília afirma que plano de trabalho está em elaboração e obras devem ser previstas dentro do orçamento

O Ministério Público Federal deu seis meses para que a Universidade de Brasília (UnB) adote medidas que garantam o conforto térmico de alunos e professores dentro de suas salas de aula, como a instalação de aparelhos de ar-condicionado. 

A recomendação foi encaminhada ao reitor da UnB, Ivan Marques de Toledo Camargo, na última quinta-feira (29). A decisão foi tomada após a denúncia feita por um universitário em outubro de 2014. 

Unb
Divulgação
Unb


Na representação, o aluno afirmou que a sensação de calor excessivo é uma constante na UnB, mas que a situação se agrava no período da seca.

A aluna de ciências ambientais Amanda Aragão confirma o problema. "Sofremos bastante com a falta de ar-condicionado em vários locais da UnB. Os anfiteatros têm até ar-condicionado, porém nunca é ligado e é o local onde a maioria dos alunos pegam aulas."

Leia também
UnB fecha o ano com déficit de R$ 60 milhões; salários serão honrados
Faculdades ganharam R$ 750 milhões de isenção de impostos com Prouni
Com crise financeira, reitor da USP anuncia fechamento de escritórios

Ela reclama ainda das condições do prédio do Bloco Salas Sul. "As salas são superquentes. É quase impossível prestar atenção na aula." As aulas têm média de 40 alunos por sala e chegam a 70 pessoas em aulas no anfiteatro. 

Na recomendação, o MPF determina que seja aplicada uma película refletora na fachada de vidros dos pavilhões João Calmon e Anísio Teixeira, que sejam feitas alterações arquitetônicas no Bloco de Salas Sul e que condicionadores de ar sejam instalados no bloco Eldoro de Souza. Além da manutenção constante da climatização do bloco principal do campus Darcy Ribeiro, o ICC. 

Plano está em elaboração

Em nota, a Universidade de Brasília afirmou que a instituição está ciente das recomendações e "quer garantir o conforto de seus estudantes, professores e servidores". 

Apesar de ter fechado o ano passado com um deficit de R$ 60 milhões em suas contas, a instituição afirma que terá dinheiro para as obras necessárias. O plano de trabalho está em elaboração e deve levar em conta o orçamento disponível para obras em 2015, que é de R$ 50 milhões.

A UnB, no entanto, ainda não sabe quanto precisará para realizar as adequações exigidas pelo Ministério Público Federal. 

Ao todo, 36.201 alunos de graduação e pós-graduação estudam nos quatro campi da Universidade de Brasília.

Leia tudo sobre: unbensino superiormecreuni

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas