Após licença médica, 14 mil professores não voltam às salas de aula de SP

Por Cristiane Capuchinho - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Sem função definida dentro da escola, docentes readaptados se sentem depreciados e sofrem preconceito de colegas

Marcos Santos/USP
Número de professores readaptados cresceu 25% entre 2011 e 2013

Na rede estadual de São Paulo, 14.340 professores estavam fora das salas de aula em maio de 2013. O número de docentes readaptados após licença médica cresceu 25% em 2 anos: eram 11.872 em 2011.

Os dados sobre os professores readaptados são da pesquisadora Sandra Noveletto Antunes em seu estudo "Mal-estar e adoecimento docente na escola pública paulista: um panorama preocupante", publicado em agosto.

Readaptados são professores que deixaram a escola por problemas como depressão ou doenças ortopédicas e, por não terem condições de voltar à sala de aula, são recolocados na escola para outros trabalhos. Sem função clara dentro da escola, os docentes relatam cumprir serviços de telefonista e de secretária, sofrerem preconceito e até assédio moral.

+ 'Sinto que o Estado quer me enterrar viva', diz professora readaptada

"A pesquisa encontrou fortes indícios de que o aumento desse fenômeno de readaptações seja provocado pelas condições de trabalho enfrentadas pelos professores. Os professores estão sobrecarregados, desmotivados, sentindo-se desvalorizados", explica a pesquisadora.

+ 1 a cada 4 professores das redes públicas são temporários, diz Ipea 

O problema se repete em redes municipais e também em outras redes estaduais do país. No caso da cidade de São Paulo, 5.647 docentes estavam readaptados em março de 2012, segundo o Atlas Municipal de Gestão de Pessoas da Prefeitura de São Paulo 2013. O número representa 9,7% dos professores da rede na época.

Fora da sala de aula, readaptado sofre preconceito

Quando voltam para a escola no programa de readaptação, os professores passam por perícia médica para atestar quais atividades podem exercer dentro da escola. O readaptado deveria ser colocado em função pedagógica, o problema, segundo a terapeuta e pesquisadora do tema Amanda Macaia, é que esse "rol de atividades" não deixa claro quais são as funções que o profissional pode cumprir e isso fica a cargo da gestão da escola.

Assim, os readaptados muitas vezes são designados pelo diretor para ajudar na secretaria, atendendo telefones e cumprindo burocracias, na inspeção de alunos ou mesmo na cozinha. 

Eu jamais queria ter ficado doente. Queria ter minha sala, ter meus alunos. E não ficar jogada igual eu fico

"[A colocação em atividades pedagógicas] depende muito das relações sociais que o adaptado tem dentro da escola, então ele fica dependente. Também há um problema que é o laudo não ajudar o diretor a incluir o readaptado na escola", afirma Macaia, que estudou o tema na rede municipal de São Paulo.

Fora de função, os readaptados deixam de ser vistos como professores por seus colegas. Macaia explica que essa situação dá origem à discriminação do profissional, que às vezes é tido como acomodado. A mesma situação é relatada por Antunes, na rede estadual. 

"Na recolocação desse profissional em outras atividades, cujas funções não pertencem ao docente concursado e qualificado, a situação mostra-se insatisfatória e depreciativa. O professor vítima da degradação das condições de trabalho impostas pelas políticas públicas educacionais, além do próprio adoecimento, sofre na readaptação com auto-culpabilização, isolamento, estigmatização, preconceito e discriminação", indica Sandra Antunes.

'É como se eu fosse uma inútil', afirma readaptada

Acervo pessoal
Professora Rosi Tomura com o deputado Carlos Giannazi em reunião na Alesp

Após uma crise de depressão profunda desencadeada por um caso de violência com alunos de sua escola, a professora Rosi Tomura, de 48 anos, voltou à escola em 2002, com um quadro de fobia social controlado à base de antidepressivos.

Apesar das dificuldades para vencer seus medos, ela conta que por anos ajudou no cuidado da sala de leitura da escola em que trabalha em Mococa (SP). Mas, em 2013, a diretoria resolveu trocá-la de função e aí recomeçou seu calvário.

"A diretora não falou comigo. Em janeiro, eu cheguei na escola e tinha duas pessoas na sala de leitura. Uma delas me disse que achava que eu não ia mais trabalhar ali. Ela falou isso e eu fiquei sem saber o que fazer, o que ia ser da minha vida."

Rosi relata que após procurar a diretora, essa apenas confirmou que não era para ela continuar na sala de leitura. "Como não tinha o que fazer, ela disse 'você distribui o material quando alguém pedir'." E assim ela conta que passou os últimos dois anos dentro da sala de almoxarifado, sem função a maior parte do tempo. "Subestimam minha capacidade. É como seu eu fosse uma inútil. Eu pensava 'não sirvo mesmo para nada'."

"Eu jamais queria ter ficado doente. Queria ter minha sala, ter meus alunos. E não ficar jogada igual eu fico, sem opção", afirma.

Após quase dois anos em que diz ter enfrentado a piora de seu quadro depressivo, Rosi voltou a exercer funções pedagógicas sob coordenação de uma nova diretoria na escola. Agora a professora ajuda na mediação de conflitos.

Temporários não fazem parte das estatísticas

Segundo Sandra Antunes, o número de 14 mil professores readaptados na rede estadual engloba apenas os professores efetivos e não há registos dos afastamentos no caso de docentes temporários. "O número de afastamentos temporários, por meio de licenças médicas, na rede estadual é enorme, mas infelizmente, não são contabilizados e não há controle sobre isso. Entretanto, crescem as denúncias sobre a falta de professores nas escolas."

A rede paulista tem atualmente 240 mil professores, desses 56 mil são temporários, segundo dados conseguidos por Lei de Acesso à Informação e publicados pelo jornal Folha de S.Paulo. A Secretaria Estadual de Educação não informou o número atual de professores readaptados, como é feita a readaptação e se esses profissionais podem exercer funções que não sejam pedagógicas.

Em nota enviada após a publicação da reportagem, a secretaria afirma que "garante que a valorização dos profissionais que atuam na maior rede de ensino do País está entre suas prioridades e, por isso, criou em 2013 um modelo inédito de perícias, com unidades próprias da Educação para atendimento a profissionais que atuam nas 5 mil escolas estaduais. Atualmente, são 35 unidades criadas com o objetivo de agilizar o atendimento e também a readaptação dos servidores".

A nota diz ainda que os "professores readaptados da Secretaria da Educação têm, entre outras funções, a atuação nas salas de leitura da rede, espaço de extrema importância para a ampliação do repertório intelectual e cultural dos estudantes".

Leia tudo sobre: professorsaúdeSP

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas