Ministério da Educação faz plano para acelerar educação de alunos atrasados

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Pasta está desenvolvendo um programa para ajudar alunos com idade entre 15 e 17 anos que ainda estão no ensino fundamental para que eles acessem o ensino médio

Agência Estado

O Ministério da Educação (MEC) está desenvolvendo um programa para acelerar estudantes com idade entre 15 e 17 anos que ainda estão no ensino fundamental para que eles acessem o ensino médio. As ações do Programa Nacional de Adequação de Idade/Ano Escolar serão voltadas para cerca de 2,6 milhões de jovens nessa faixa etária que ainda não conseguiram passar do 9.º ano.

Leia mais: Haddad promete entregar 16 mil vagas de creche ainda este ano

Dilma diz que educação terá R$ 112 bilhões dos royalties do petróleo

Alan Sampaio / iG Brasília
O ministro da Educação, Aloizio Mercadante

O programa está sendo elaborado pelo MEC e é uma das ações planejadas para o plano geral de reformulação do ensino médio, chamado de Compromisso Nacional Pelo Ensino Médio. A proposta para essa fase, considerado o maior gargalo da educação do País, está em debate com o Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) desde o ano passado. As redes estaduais dominam as matrículas nessa etapa.

Os planos do MEC incluem, além da produção de materiais específicos, a formação de professores para escolas de ensino fundamental que tenham estudantes com distorção idade/série em jornada ampliada. A pasta pretende induzir a produção de uma proposta curricular específica para os jovens acessarem o ensino médio.

Segundo o MEC, o programa está mapeando onde estão os estudantes atrasados. Segundo o Anuário Brasileiro da Educação Básica da ONG Todos Pela Educação, os 2,6 milhões de alunos de 15 a 17 anos que ainda estavam em 2011 no ensino fundamental representam 25,5% do total de jovens nessa faixa etária. A maior parte, 52%, estava no ensino médio e o restante havia abandonado a escola.

Plano

As preocupações com o ensino médio se intensificaram depois da divulgação da última edição do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) no ano passado. Apesar de o índice mostrar avanço no ensino fundamental, o médio ficou estagnado no País.

O anúncio oficial não tem data, mas o governo sinalizou que vai haver expansão da jornada para o ensino médio integral associada à educação profissional e à elaboração de currículo dividido em áreas do conhecimento, como o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), e não mais por matérias. O Enem tem quatro áreas: Ciências Humanas, da Natureza, Matemática e Linguagens. Também haverá um programa específico de bolsa para 100 mil alunos dessa etapa. A ideia é estimular alunos do ensino médio a cursarem licenciatura em Ciências. 

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas