Pesquisa mostra que 62% apoiam cotas em faculdades

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

De acordo com pesquisa do Ibope, quase dois a cada três brasileiros concordam com as cotas em universidades públicas para negros, pobres e alunos vindos de escola pública

Agência Estado

Quase dois em cada três brasileiros são a favor de cotas em universidades públicas tanto para negros quanto para pobres como para alunos da escola pública. Pesquisa nacional do Ibope feita a pedido do Estado mostra que 62% da população apoia a implementação dos três tipos de cotas - mecanismos que facilitam o acesso desses segmentos sociais às vagas do ensino superior.

Leia também: Notas de corte entre cotistas e não cotistas difere em 50 pontos

Há variações significativas, porém. O grau de apoio muda de região para região, entre classes sociais, de acordo com a cor da pele do entrevistado e segundo o seu grau de escolaridade.

Outra constatação importante da pesquisa é que há um apoio significativamente maior às cotas que levam em conta a renda (77%) e/ou a origem escolar (77%) dos pretendentes às vagas que às cotas baseadas só na cor autodeclarada do aluno (64%).

Leia mais: Critério de raça tem discrepância maior nas notas de corte de cotistas
Pesquisa: Desempenho de cotista é igual ou superior ao dos demais estudantes
Incentivo: Governo terá programa para manter cotistas nas universidades
Perspectiva: Lei das cotas só mudará universidades em alguns anos

Em contraposição aos 62% que apoiam todos os tipos de cotas, 16% dos brasileiros são contra qualquer uma delas, segundo o Ibope. Os restantes não souberam responder (5%) ou são a favor de um ou dois tipos de cotas, mas contra o terceiro: 12%, por exemplo, defendem cotas para alunos pobres e para alunos da rede pública, mas são contrários às cotas para alunos negros.

A oposição às cotas para pobres, negros e alunos da rede pública tende a ser maior entre brancos, entre brasileiros das classes de consumo A e B, entre pessoas que cursaram faculdade e entre os moradores das capitais e das Regiões Norte e Centro-Oeste.

Já o apoio à política de cotas nas universidades públicas é proporcionalmente mais alto entre quem estudou da 5.ª à 8.ª série, entre os emergentes da classe C, entre nordestinos e moradores de cidades do interior do País.

Essa diferença de perfil entre os contrários e os a favor sugere que aqueles que estão em busca de ascensão social e econômica tendem a ter mais simpatia por políticas que aumentem suas chances de chegar à faculdade, enquanto aqueles que já chegaram lá - a maioria sem ter se beneficiado desses mecanismos - têm maior probabilidade de serem contrários a esse favorecimento. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Leia tudo sobre: cotascotas raciaiscotas sociais

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas