Mais três alunos conseguem na Justiça acesso à correção do Enem

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Com isso, sobe para quatro o número de decisões judiciais abrindo aos alunos a possibilidade de pedir a revisão da correção da prova

Agência Estado

Mais três estudantes conseguiram nesta quinta-feira ordens da Justiça Federal do Rio de Janeiro para ter acesso à correção da prova de redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e pedir revisão, caso considerem necessário. Agora já existem pelo menos quatro decisões nesse sentido no país: quatro no Rio de Janeiro e uma no Rio Grande do Sul. A advogada Isadora Girão, que na quarta-feira (02) já havia obtido a primeira decisão em favor de uma estudante no Rio, também foi autora desses outros três pedidos atendidos no Estado.

Leia também: Grupo no Facebpook critica correção do Enem e reúne mais de 30 mil pessoas

As quatro decisões foram emitidas pelo juiz federal Marcel Correa. Ele ordenou que no prazo de até 48 horas o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), órgão que organiza o Enem, permita aos estudante que vejam suas provas corrigidas. Após ter acesso à prova, os estudantes terão 24 horas para pedir revisão. Caso haja esse pedido, a revisão deverá ser feita pelo próprio Inep até o fim do prazo para a inscrição no Sistema de Seleção Unificada (Sisu), por meio do qual as universidades públicas oferecem vagas a quem fez o Enem, que vai de 7 a 11 de janeiro.

"Todos os alunos têm histórico muito bom em redação, sempre tiraram notas altas, e consideram ter feito boas provas no Enem. Por isso, imaginam que a correção foi injusta e querem ter acesso à prova. O Inep prevê acesso a ela em fevereiro, mas o prazo para fazer a inscrição no Sisu é de 7 a 11 de janeiro. Então esses estudantes precisam ter a nota revista até esse período", diz Isadora, que representa o escritório Rezende de Almeida Advogados.

Leia tudo sobre: GERAL

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas