Governo amplia pacote do reajuste de professores para R$ 4,2 bilhões

Nova proposta apresentada nesta terça-feira prevê aumento salarial entre 25% e 40% a partir de 2013

Nivaldo Souza - iG Brasília | - Atualizada às

O governo federal apresentou nesta terça-feira (24) uma nova proposta para professores de universidades e institutos tecnológicos para encerrar a greve iniciada há 69 dias – conforme antecipou o iG . O Palácio do Planalto elevou a fatia do orçamento público para o reajuste salarial dos docentes de R$ 3,9 bilhões para R$ 4,2 bilhões em repasses para os meses de março de 2013, 2014 e 2015.

Opinião: Greve nas federais é resultado da expansão das universidades
Outra categoria: Governo autoriza Eletrobras a fazer nova proposta a grevistas

O governo também reformulou os repasses mínimos de 12% para 25%. O teto do aumento do salário dos professores se mantém em 40%. A mudança exclui dos percentuais acertados na semana passada os 4% de reajuste concedido em março deste ano. Ou seja, o repasse de 25% a 40% irá incidir sobre o salário-base acrescido dos 4% formalizados pelo Ministério da Educação há três meses.

“O governo atendeu nosso pleito, que era de aumento de 24,75%. Os 15 pontos que o Proifes colocou foram contemplados. Hoje teremos reunião do nosso conselho e, a partir daí, vamos consultar os professores de todo o país”, disse o presidente da Federação de Sindicatos de Professores de Instituições Federais de Ensino Superior (Proifes), Eduardo Rolim de Oliveira.

Representantes do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes) e do Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (Sinasefe) presentes na reunião avaliaram que a proposta ainda é insuficiente, mas afirmaram que vão levá-la para votação.

O governo fixou como prazo para o fim da greve até a próxima segunda-feira, quando a greve iniciada em 17 de maio completaria 75 dias. A data atende pedido da presidenta Dilma Rousseff, que ordenou aos ministros Aloizio Mercante (Educação) e Miriam Belchior (Planejamento) acabar com a greve antes do retorno dos alunos das férias de meio de ano.

O secretário de relações de trabalho do Ministério do Planejamento, Sérgio Mendonça, confia agora na aceitação da proposta pelos professores. “Fizemos uma série de ajustes para o plano de carreira dos professores. Estamos confiantes de que seja o suficiente para terminarmos com a greve”, disse.

Segundo ele, caso haja uma aceitação parcial o governo pode vir a negociar caso a caso eventuais alterações sugeridas por classe representante dos professores. O governo classifica a proposta apresentada hoje como parte de um plano estratégico para reestruturar o sistema nacional de educação. 



    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG