Cantora Etta James morre aos 73 anos nos Estados Unidos

Uma das maiores vozes da história do jazz e do blues, norte-americana sofria de leucemia

iG São Paulo |

Morreu nesta sexta-feira (20), aos 73 anos, a cantora norte-americana Etta James. Uma das maiores vozes da história do jazz e do blues, a artista havia sido diagnosticada com leucemia no início do ano passado. Também sofria de Mal de Alzheimer , tinha problemas nos rins e, desde 2010, passou por várias internações por conta de complicações de saúde.

Em dezembro, seus médicos anunciaram que seu estado era terminal. No último dia 5, havia recebido alta para morrer em casa. No momento de sua morte, no entanto, Etta estava no Riverside Community Hospital, em Los Angeles, em companhia de seu marido e filhos.

Etta atingiu o sucesso nos anos 1960, quando gravou a música "At Last". Três vezes vencedora do Grammy, foi figura importante nos primórdios do rock 'n' roll. Ela entrou para o Rock and Roll Hall of Fame em 1993, embora durante sua carreira tenha cantado também blues, soul e R&B.

Siga o iG Cultura no Twitter

Jamesetta Hawkins nasceu em 25 de janeiro de 1938, em Los Angeles. Sua mãe, Dorothy Hawkins, tinha apenas 14 anos na época. Seu pai nunca foi identificado. Por conta da vida atribulada da mãe, a menina foi criada por amigos próximos, entre eles o casal "Sarge" e "Mama" Lu.

Aos cinco anos, Etta teve sua primeira aula profissional de canto, na Igreja Batista de Saint Paul. Lá, tornou-se uma atração nas missas, fazendo com que Sarge exigisse que o pastor pagasse a jovem por suas participações – pedido que foi negado.

Após a morte de Mama Lu, em 1950, sua mãe biológica a levou para São Francisco. Foi na cidade que Etta, aos 14 anos, formou o grupo de cantoras Creolettes. Nessa época, as jovens foram descobertas pelo cantor e produtor musical Johnny Otis (morto ontem), que logo apadrinhou o grupo. Antes de arranjar um contrato com a Modern Records, Otis rebatizou o conjunto de Peaches e inverteu o nome da cantora de Jamesetta para Etta James.

Após atingir o topo da parada de rhythm & blues com a canção "Dance with Me, Henry", de 1955, as Peaches se tornaram o grupo de abertura da turnê nacional do roqueiro Little Richard. Etta deixou o grupo e assinou contrato com a Chess Records, gravadora do produtor Leonard Chess, que ficou famoso por lançar nomes como Muddy Watters, Howlin' Wolf e Chuck Berry.

A cantora dividiu suas primeiras gravações, os hits "If I Can't Have You" e "Spoonful", com seu namorado na época, o músico Harvey Fuqua. Seu primeiro sucesso solo foi "All I Could Do Was Cry", música que inspirou Leonard Chess a misturar a voz de Etta com violinos e outros instrumentos de cordas.

Getty Images
Etta James em 1965, em Nova York
Dessa ideia surgiu o álbum "At Last!", primeiro trabalho da cantora, lançado em 1961. Nele estão os clássicos "I Just Want to Make Love to You" e "A Sunday Kind of Love", além da faixa-título, "At Last", que se tornou a canção mais famosa de sua carreira.

Durante os anos 1960, Etta adicionou elementos de gospel em suas músicas, como "Stop the Wedding" e "Pushover". Entre os sucessos lançados no período estão "Tell Mama", composta por ela e Clarence Carter, e "I'd Rather Go Blind", que foi regravada por Rod Stewart, B.B. King, Paul Weller e Beyoncé, esta última para a trilha do filme "Cadillac Records", em 2008.

Depois da morte de Leonard Chess, em 1969, Etta se aventurou em estilos como rock e funk. Produzido por Gabriel Mekler, que já havia trabalhado com Janis Joplin e Steppenwolf, o álbum "Etta James", de 1973, marca esse período, apesar de não contar com hits.

Em 1978 a cantora lançou seus dois últimos trabalhos pela Chess Records, "Etta Is Betta Than Evah" e "Deep in the Night". No mesmo ano Etta abriu alguns shows para os Rolling Stones e se apresentou no Montreal Jazz Festival. A partir daí, passou dez anos longe dos estúdios, lutando contra seu vício em drogas e álcool.

Apenas em 1987 Etta voltou aos holofotes, logo após participar do documentário "Hail! Hail! Rock 'n' Roll", em que canta "Rock & Roll Music" ao lado de Chuck Berry. Em 1993. entrou para o Rock and Roll Hall of Fame e lançou o álbum "Mystery Lady: Songs of Billie Holiday", tributo à cantora Billie Holiday que rendeu a Etta seu primeiro Grammy por melhor performance de jazz, em 1994.

Homenageada com o Grammy pelo conjunto da obra em 2003, Etta voltou com força à mídia no período do lançamento do filme "Cadillac Records", em que foi interpretada pela cantora Beyoncé. Apesar das críticas que o longa recebeu, ele foi responsável por recolocar a canção "At Last" em alta, o que desagradou Etta – principalmente quando Beyoncé a cantou no dia da posse do presidente Barack Obama, em janeiro de 2009.

Magoada, a cantora disse que sentiu-se ofendida por não receber o convite para cantar "At Last" na ocasião, afirmando que teria feito uma apresentação melhor que a de Beyoncé.

Com a piora de sua saúde, Etta James cancelou todos os shows de sua agenda em 2010. Mesmo assim, lançou no ano seguinte o álbum "The Dreamer", último de sua carreira.

null

    Leia tudo sobre: Etta Jamesmúsica

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG