"Cinquenta Tons de Cinza" inspira editora a apimentar clássicos da literatura

Selo Clandestine Classics vai relançar "Orgulho e Preconceito" e "Jane Eyre" mostrando "cenas escondidas" dos personagens; na ficção, Sherlock Holmes terá caso com Dr. Watson

iG São Paulo |

Divulgação
Detalhe da capa da nova versão de "Jane Eyre"

O sucesso da trilogia erótica "Cinquenta Tons de Cinza" ("Fifty Shades of Grey"), da escritora inglesa E.L. James, inspirou uma editora britânica a reimaginar clássicos da literatura por um viés sexual. A ideia é mostrar o sexo implícito em livros como "Orgulho e Preconceito" (alvo antes do  mashup de gêneros "Orgulho, Preconceito e Zumbis"), "Jane Eyre" e até "Um Estudo de Vermelho", de Conan Doyle, no qual o detetive Sherlock Holmes e seu fiel amigo, John Watson, irão manter uma relação homossexual.

Siga o iG Cultura no Twitter

"Você não acha mesmo que aqueles personagens adoráveis só seguravam as mãos e davam beliscões na bochecha, não é?", diz o material de divulgação. "Venha conosco enquanto embarcamos numa experiência de tirar o fôlego, por trás das portas dos quartos de nossos personagens favoritos. (...) Mostraremos as cenas que você sempre quis ver, mas nunca pôde."

"A Abadia de Northanger", de Jane Austen, e "20 Mil Léguas Submarinas", de Júlio Verne, também serão relançados – o último, aliás, também será voltado para o público gay. A editora promete não economizar nos detalhes e cenas picantes.

De inspiração em "Crepúsculo" a Hollywood: o fenômeno "Cinquenta Tons de Cinza"

"Estamos mantendo a prosa original e a voz do autor... Mas queremos aprimorar os romances adicionando as cenas 'que faltavam' para os leitores", disse ao jornal The Independent Claire Siemaszkiewicz, responsável pelo selo Clandestine Classics. "As pessoas vão ou amar ou odiar. Mas estamos 100% convencidos de que há um mercado para isso."

Prevista para chegar ao Brasil em agosto, a trilogia "Cinquenta Tons de Cinza" ocupa atualmente as três primeiras posições da lista de mais vendidos do The New York Times. Apelidado de "pornô para mamães", o livro já vendeu mais de 10 milhões de exemplares ao revelar as intimidades de um casal que vive um romance tórrido, recheado de cenas de sexo e sadomasoquismo.

    Leia tudo sobre: cinquenta tons de cinzaliteratura

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG