Empresário Bernardo Paz ficou em 76º lugar em lista de revista britânica encabeçada pelo artista chinês Ai Weiwei

Inhotim, em Minas Gerais, é o maior centro de arte ao ar livre da América Latina
Divulgação
Inhotim, em Minas Gerais, é o maior centro de arte ao ar livre da América Latina
O empresário e mecenas Bernardo Paz é o único brasileiro presente na lista das cem personalidades mais poderosas no mundo das artes, divulgada nesta quinta-feira (13) pela influente revista britânica Art Review. Em sua décima edição, o ranking é liderado pelo dissidente chinês Ai Weiwei. Paz aparece no 76º lugar.

Um dos principais colecionadores de arte do Brasil, Paz criou o Instituto Inhotim, em Brumadinho (MG). Formado por um conjunto de galerias e instalações, o Centro de Arte Contemporânea Inhotim é o maior centro de arte ao ar livre da América Latina e reúne cerca de 450 obras.

Siga o iG Cultura no Twitter

Alguns dos principais artistas contemporâneos brasileiros e estrangeiros têm obras em Inhotim, como Hélio Oiticica (1937-1980), Matthew Barney, Olafur Eliasson, Cildo Meireles, Adriana Varejão, Tunga e Vik Muniz, entre outros.

Em recente entrevista ao jornal O Globo, Paz disse que sua intenção era criar um local "para a eternidade, (...) onde as pessoas podem vir e trabalhar sem pressa, cercadas de pássaros".

A relação completa da Art Review inclui artistas, curadores e mecenas de diferentes nacionalidades. O chinês Ai Weiwei, primeiro da lista, passou 81 dias preso em 2011 por evasão fiscal, segundo a versão oficial do governo. Por ser um crítico aberto do sistema político chinês, sua família defende que a intenção da prisão era impedir seu ativismo.

A atuação política de Weiwei, que extrapola os limites das galerias e museus, influenciou na sua entrada no ranking. "A prisão de Ai Weiwei e as reações que se seguiram a ela só fizeram aumentar o apetite do público já interessado em ver seu trabalho", diz o texto da Art Review, acrescentando que o artista mantém uma programação "intensa" de exibições.

Em entrevista à BBC, Weiwei disse que se sente frágil, e não poderoso, e que considera responsabilidade de todo artista proteger a liberdade de expressão.

Weiwei é o segundo artista que encabeça a lista; o primeiro foi o britânico Damien Hirst em 2005 e 2008. Alguns dos nomes da lista, como Cindy Sherman (7ª), Damien Hirst (64º), Jeff Koons (66º) e Shirin Neshat (86ª), atualmente possuem obras na exposição "Em Nome dos Artistas", que celebra os 60 anos da Bienal de SP. A lista completa pode ser vista no site da Art Review.

*com Valor Online e BBC Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.