Academia fará homenagem especial ao gênero na cerimônia de 2013; veja os dez principais títulos da última década

Pegando carona no lançamento de "Os Miseráveis" , que estreou na sexta-feira (1º) no Brasil, a cerimônia do Oscar 2013 fará uma homenagem especial aos musicais, gênero que, segundo a Academia, “teve um renascimento notável na última década”.

Siga o iG Cultura no Twitter

Cena de 'Os Miseráveis', dirigido por Tom Hooper
Divulgação
Cena de 'Os Miseráveis', dirigido por Tom Hooper

Tal período se inicia em 2003, quando “Chicago” recebeu seis Oscar, incluindo melhor filme – a primeira vitória de um musical na categoria desde 1969. Desde então, o gênero ganhou fôlego em Hollywood, ainda que apenas um outro título, “Dreamgirls”, tenha sido premiado pela Academia.

Neste ano, “Os Miseráveis” tem oito indicações ao Oscar e um prêmio praticamente assegurado para Anne Hathaway na categoria de melhor atriz coadjuvante.

O iG selecionou 10 musicais que marcaram (para o bem e para o mal) a última década.

Catherine Zeta-Jones em
Divulgação
Catherine Zeta-Jones em "Chicago"

"Chicago", de Rob Marshall (2002): Roxie Hart (Renée Zellweger) e Velma Kelly (Catherine Zeta-Jones, vencedora do Oscar de atriz coadjuvante) são duas dançarinas que, mesmo após serem presas por assassinato, lutam para conseguir fama e dinheiro na corrupta Chicago dos anos 1920. Bem recebido pelos críticos, arrecadou mais de US$ 306 milhões em todo o mundo.

"O Fantasma da Ópera", de Joel Schumacher (2004): Gerard Butler e Emmy Rossum estrelam a versão cinematográfica do musical de Andrew Lloyd Webber, por sua vez baseado no romance do francês Gaston Leroux. Conta uma história de amor e ciúme que gira em torno de Christine, jovem integrante de um grupo teatral que ensaia na Ópera de Paris e é treinada pelo Fantasma, um gênio musical desfigurado. Massacrado pelos críticos, recebeu três indicações ao Oscar em categorias técnicas.

"Os Produtores", de Susan Stroman (2005): Nathan Lane e Matthew Broderick voltam aos célebres papéis que interpretaram na Broadway: Max Bialystock, um produtor teatral, e Leo Bloom, seu contador. Após mais um fracasso na carreira, os dois decidem ganhar dinheiro fazendo o pior musical do mundo. O filme ficou abaixo das expectativas de público e não conseguiu pagar seu orçamento de US$ 45 milhões.

Cena de
Reprodução
Cena de "Dreamgirls"

"Dreamgirls - Em Busca de um Sonho", de Bill Condon (2006): Baseado no musical da Broadway, conta a história de três jovens negras que vivem em Chicago e formam um trio pop de sucesso no início dos anos 1960. Apesar da presença da estrela Beyoncé Knowles no papel principal, quem rouba a cena é Jennifer Hudson, cantora eliminada do programa "American Idol" que ganhou o Oscar de ator coadjuvante em sua estreia no cinema.

John Travolta em
Divulgação
John Travolta em "Hairspray"

"Across the Universe", de Julie Taymor (2007): O filme tem apenas versões de canções dos Beatles - incluindo "Hey Jude", "I Am the Walrus" e "All You Need is Love" -, que embalam o amor de uma americana rica e um britânico pobre em meio à Guerra do Vietnã. Críticos ressaltaram a beleza visual do longa, mas não perdoaram os personagens clichês e os números musicais pouco inspiradores. Indicado ao Oscar de figurino.

"Hairspray - Em Busca da Fama", de Adam Shankman (2007): Sucesso de bilheteria e bem avaliado pela imprensa, acompanha a trajetória de Tracy Tumblad (Nikki Blonsky), uma menina gordinha que se torna celebridade com um programa de TV. Enquanto busca a fama, ela tem de lidar com a rival Amber (Brittany Snow) e a mãe Edna (John Travolta), que quer mandá-la para a escola católica.

"Sweeney Todd: O Barbeiro Demoníaco da Rua Fleet", de Tim Burton (2007): Mais uma parceria entre o diretor de "Edward Mãos de Tesoura" e o ator Johnny Depp, que interpreta o personagem-título. Sweeney Todd é um barbeiro preso inustamente que, após sair da cadeia, coloca em prática seu plano de vingança. Sua parceira é Mrs. Lovett, vivida por Helena Bonham Carter. Indicado a três Oscars, inclusive ator para Depp, venceu na categoria direção de arte.

"Mamma Mia! - O Filme", de Phyllida Lloyd (2008):  Fenômeno de bilheteria na Broadway, usa canções da banda sueca Abba para contar a história de uma jovem (Amanda Seyfried) que, prestes a se casar, decide que é o momento de conhecer seu pai. Ela então convida para a festa três ex-namorados de sua mãe (Meryl Streep, muito bem no papel) para pressioná-la a contar a verdade.

Meryl Streep e Pierce Brosnan em
Divulgação
Meryl Streep e Pierce Brosnan em "Mamma Mia!"


"Nine", de Rob Marshall (2009): Depois de mostrar talento em "Chicago", Marshall errou feio nessa história inspirada em "8 e meio", de Federico Fellini. Daniel Day-Lewis é Guido Contini, um cineasta em crise de identidade às voltas com sua mulher, sua amante, sua agente e sua mãe. O elenco cheio de estrelas - Marion Cotillard, Nicole Kidman, Kate Hudson, Penélope Cruz, Sophia Loren e Judi Dench - não segura o enredo fraco e números musicais vulgares. Apesar disso, recebeu quatro indicações ao Oscar, inclusive atriz coadjuvante para Cruz.

"Burlesque", de Steve Antin (2010): A cantora Christina Aguilera interpreta uma jovem do interior que tenta a sorte em Los Angeles. Contratada como garçonete de um teatro decadente administrado pela personagem da veterana Cher, ela pode ser o que faltava para devolver glamour ao local. Apesar dos clichês, faturou quase US$ 90 milhões nas bilheterias mundiais.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.