Nem Wagner Moura é motivo para ver "A Busca"

Exibido na competição do Festival do Rio, longa de estreia de Luciano Moura se perde entre jornada de transformação e "gincana" de obstáculos

Mariane Morisawa - especial para o iG |

Há dois sinais de que um filme não vai bem: 1, o jornalista sabe como começar o texto antes de terminar a projeção; 2, não vale nem para ver Wagner Moura. E olhe que o ator já salvou muitos longas-metragens nacionais problemáticos, como “Vips” , de Toniko Melo. Não é o caso de “A Busca”, dirigido por Luciano Moura (sem nenhum parentesco com o ator) e exibido em competição na noite desta quarta-feira (3), na Première Brasil do Festival do Rio .

Siga o iG Cultura no Twitter

A busca do título é a do médico Theo (Wagner Moura) por seu filho, o adolescente Pedro (Brás Antunes, filho de Arnaldo Antunes), que sumiu depois de uma briga feia – Theo está separado da mãe de Pedro, Branca (Mariana Lima), em uma casa recém-construída, mas não finalizada. O menino mostra uma cadeira enviada pelo avô paterno, produzindo uma reação agressiva do protagonista, que obviamente tem “daddy issues”.

Sem chamar a polícia ou levar uma foto recente do garoto, Theo parte atrás de pistas do garoto. Descobre que ele adotou um cavalo – o que, convenhamos, ajuda muito a destacar Pedro na multidão e facilita a procura, mesmo sem fotografia. E, de parada em parada, conhece os passos, o próprio filho e a si mesmo. Como? Só porque o roteiro quer.

Acesse o especial do Festival do Rio

Pois “A Busca”, que passou em Sundance com o nome “A Cadeira do Pai” e começa bem dramático, coloca tantas dificuldades absurdas no caminho de Theo que só rindo – é um homem cardíaco que não quer emprestar seu celular aqui, ou um parto no meio de um festival de música ali. E é isso o que a plateia faz enquanto o filme não define seu tom.

Com o roteiro e a direção indecisos entre mostrar uma profunda jornada de transformação ou colocar seu protagonista numa espécie de corrida de obstáculos, os atores ficam perdidos, e “A Busca” acaba girando em falso, como Theo. Se é para ver gincana, melhor ficar com o reality show “The Amazing Race”.

iG Gente:  Wagner Moura lança filme no Festival do Rio com presença de famosos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG