Longa narra trajetória de Violeta Parra e é aplaudido na abertura do Cine Ceará

“Violeta foi para o céu”, de Andrés Wood, abre a 22ª edição do festival e leva público a acompanhar a montanha-russa emocional da “Elis Regina chilena”

Priscila Bessa, enviada a Fortaleza (CE) |

Logo nos primeiros minutos de exibição fica fácil compreender como o longa-metragem “Violeta foi para o céu” – no original “Violeta se fue a los cielos” – do diretor chileno Andrés Wood, conquistou o título da World Cinema Dramatic Competition caindo nas graças de público e crítica no Sundance Film Festival , que aconteceu em janeiro deste ano nos Estados Unidos.

Leia também: "Não gosto de ter que colocar a estrela rosa", diz Marco Nanini em Fortaleza

Andrés Wood sobre Violeta Parra: “Ela sempre foi uma mulher suicida”

Nas quase duas horas de filme, exibido na abertura da 22ª edição do Cine Ceará, em Fortaleza, na noite desta sexta-feira (1), Wood lança mão da musicalidade arrebatadora de Violeta Parra, mais importante folclorista chilena e criadora da música popular de seu país, como fio condutor para desenvolver a ficção baseada no livro escrito pelo filho da artista, Ángel Parra.

Divulgação
Francisca Gavilán em cena como Violeta Parra
Detalhes sobre a vida, a obra e as paixões de Violeta são esmiuçados entre memórias e canções – o diretor não se atém a ordem cronológica dos fatos – que refletem cada vivência de um dos maiores ícones da arte popular latino-americana de forma sintomática.

Siga o iG Cultura no Twitter

Na pele da cantora, compositora e artista plástica, a atriz chilena Francisca Gavilán é quem encarna o furacão – como Wood define Violeta – com maestria e sensibilidade. A força da personagem, comparada pelos realizadores do filme ao ícone da MPB Elis Regina, assim como a dinâmica do longa, empolgam e dão ritmo a uma trama que poderia cair facilmente na monotonia das cinebiografias tradicionais.

Wood consegue levar o público do riso à emoção acompanhando a montanha-russa emocional de Violeta. O longa é uma coprodução do Chile, Brasil, Argentina e Espanha. Denise Gomes, que participou dos documentários "O Samba Que Mora em Mim" e "Tropicália" na Bossa Nova Films, é a coprodutora brasileira do filme.

Leia também: Cine Ceará 2012 tem sete longas ibero-americanos na competição

“Violeta foi para o céu” tem estreia prevista no Brasil para 8 de junho. O longa é o sétimo filme de Wood, mais conhecido pelo desempenho de “Machuca” (2004), longa que ganhou vários prêmios internacionais e representou o Chile na corrida por uma indicação ao Oscar de melhor filme estrangeiro.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG