Obra de artista espanhol é roubada da Bienal de São Paulo

Aquarela de Daniel Steegman Mangrané estava exposta no térreo do Pavilhão da Bienal; organizadores afirmam que vão reforçar segurança

iG São Paulo |

Divulgação
Obra da série de desenhos "Lichtzwang", de Daniel Steegman Mangrané, afixada no térreo da Bienal

Uma obra do artista espanhol Daniel Steegman Mangrané, exposta na 30ª edição da Bienal de São Paulo, foi roubada do Pavilhão da Bienal. A aquarela sobre papel de 2004, chamada "homes (homenols)", fazia parte da série "Lichtzwang", exposta no térreo do prédio ao lado de outros 222 trabalhos similares.

Siga o iG Cultura no Twitter

De acordo com nota oficial da Fundação Bienal de São Paulo, os desenhos estavam afixados na parede com fita adesiva e sem moldura por definição do próprio artista, radicado no Brasil.

O furto teria sido detectado no dia 27 de setembro e em seguida comunicado à seguradora e a Mangrané. A fundação registrou boletim de ocorrência.

Leia também:  Menor, Bienal de SP quer ser "inteligente, não bombástica"

"Devido ao lamentável incidente, a Fundação Bienal reforçou a segurança da sala e sugeriu a instalação de vidro de proteção diante dos trabalhos, medida que foi aceita pelo artista", diz o comunicado.

A assessoria de imprensa da Bienal declarou que ainda não foi definido se a obra será substituída, nem soube precisar quando os vidros de proteção serão instalados.

Leia também:  O que explorar na 30ª edição da Bienal de São Paulo

A 30ª edição da Bienal de São Paulo pode ser visitada até 9 de dezembro, no parque Ibirapuera. Às terças, quintas, sábados, domingos e feriados, o horário é das 9h às 19h. Às quartas e sextas, das 9h às 22h. A entrada é gratuita.

    Leia tudo sobre: bienal de são pauloartefurto

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG