Pesquisadores descobrem por que zebras têm listras

A partir de método inusitado, estudo concluiu que listras servem como um ótimo repelente contra insetos

Maria Fernanda Ziegler, iG São Paulo |

Getty Images
Padrão da listra de três espécies de zebra foi categoricamente copiado para o estudo da reflexão da luz
Pesquisadores húngaros e suecos fizeram um estudo insólito que culminou em uma boa hipótese sobre a função das listras da zebra. De acordo com a equipe, a padronagem seria um antídoto contra o ataque de parasitas, já que zebras atraem menos moscas que cavalos de pelagem preta, marrom ou branca.

A curiosidade em relação às listras das zebras surgiu em estudos anteriores, onde a equipe de pesquisadores mostrou que o pelo branco não reflete a luz polarizada da mesma maneira que o pelo marrom ou preto -- e por isso, os cavalos brancos sofriam menos com os ataques dos insetos. (A cor escura dos cavalos reflete luz da mesma maneira que poças d'água, onde as moscas se reproduzem.) A partir daí, a equipe passou a especular como as moscas reagiriam às listras das zebras.

“Nós passamos a levar em consideração a possibilidade de que as zebras desenvolveram suas listras como resposta aos ataques de moscas parasitas”, disse ao iG Susanne Åkesson, da Universidade de Lund, na Suécia e uma das autoras do estudo publicado no periódico científico Journal of Experimental Biology.

Leia mais:
Zebra faz 'amizade' com girafa em zoo inglês
Zebra 'sorri' para câmera de turistas em parque dos EUA
Hipopótamo salva-vidas resgata filhotes de gnu e zebra em rio
Híbridos podem florescer onde seus pais temem pôr os pés

Para chegar a esta conclusão, foram realizados seis estudos de campo, em fazendas nos arredores de Budapeste, que sofriam com infestações de moscas. O estudo, porém, não usou zebras de verdade. Os experimentos foram realizados em modelos, como bonecos e telas pintadas que mimetizavam as zebras. A equipe testou o coeficiente de atração de listras em preto-branco pela variação de largura, densidade e ângulo das listras e a direção da polarização da luz refletida. As moscas atraídas ficavam presas ao óleo e a cola colocada nos modelos, e assim a equipe pode medir havia menos moscas conforme o padrão de listras ficava mais fino.

De acordo com a pesquisadora, por mais estranho que pareça, os resultados podem ser aplicados em outros animais. “Nosso trabalho pode ser aplicado em qualquer outro mamífero de pelo curto e com coloração diferenciada. As características opticas de reflexão da luz podem ser aplicadas em qualquer mamífero de pelo curto. Aconteceu de trabalharmos com cavalos pois já havíamos estudados previamente e continuamos com zebras por elas terem um padrão de pelagem tão peculiar”, disse ao iG .

    Leia tudo sobre: zebraslistra de zebra

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG