Militares são evacuados de estação devido a ‘condições adversas’

Eles combatiam incêndio que atingiu base da Marinha na Antártida. Corporação diz ter contato famílias de oficiais desaparecidos

iG Brasília |

Os militares brasileiros que haviam permanecido para combater o incêndio que atingiu esta madrugada a Estação Antártica Comandante Ferraz , base da Marinha na Antártida, foram evacuados devido a “condições meteorológicas adversas”. Em nota, a Marinha afirmou esta tarde que o chefe e integrantes da estação foram transferidos para a base chilena Eduardo Frei.

Leia também: Incêndio em estação brasileira na Antártida deixa dois desaparecidos

Divulgação
A Estação Antártica Comandante Ferraz
Segundo o comunicado, os brasileiros retornarão ao local para avaliar os danos causados à estação quando as condições meteorológicas “permitirem”, com apoio de um navio chileno. A corporação identificou os militares desaparecidos como sendo o suboficial Carlos Alberto Vieira Figueiredo e o primeiro-sargento Roberto Lopes dos Santos.

A nota também diz que o militar ferido no incêndio é o primeiro-sargento Luciano Gomes Medeiros. A Marinha afirma que já contatou as famílias dos militares desaparecidos e do ferido, e que elas recebem apoio “nesse momento de extrema dor”. A corporação não confirma mortes.

Leia mais: Brasil terá estação científica no interior da Antártida

Gomes Medeiros, 30 pesquisadores, um alpinista, 12 funcionários da Marinha e um representante do Ministério do Meio Ambiente já foram transferidos para Punta Arenas, no Chile, onde receberão auxílio da Marinha e do consulado brasileiro da região.

O comunicado diz que uma aeronave da Força Aérea Brasileira (FAB) deixou o Rio de Janeiro às 16h, destino Punta Arenas. Ela transportará para o Brasil os militares que estavam na estação. A operação será coordenada pelo Secretário da Comissão Interministerial para os Recursos do Mar, Contra-Almirante Marcos José de Carvalho Ferreira, que estará no avião.

Naufrágio

De acordo com a publicação deste sábado do jornal O Estado de São Paulo , um embarcação usada para transporte de carga, que era rebocada pela Marinha, afundou em dezembro no litoral da Antártida com uma carga de 10 mil litros de óleo combustível.

Segundo o jornal, o produto não vazou, mas está a 40 metros de profundidade e a 900 metros da praia onde fica a Estação Antártica Comandante Ferraz. O naufrágio estaria sendo mantido em sigilo tanto pela Marinha quanto pelos ministérios que integram o Programa Antártico Brasileiro (Proantar) – Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia, Relações Exteriores e Minas e Energia e Defesa. Não houve vítimas no acidente.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG