Tocas da espécie servem como habitat e abrigo para outros animais, como tamanduás, jaguatiricas e aves

BBC

Tatus-canastras, ou  Priodontes maximus , são verdadeiros "engenheiros do ecossistema", afirmam pesquisadores que descobriram que suas tocas servem como habitat e abrigo para outras espécies.

Conheça a nova home do Último Segundo

O projeto 'Tatu-Canastra', feito no Pantanal, durou dois anos, e foi liderado pelo Instituto de Pesquisas Ecológicas (IPE) e pelo Royal Zoological Society da Escócia. O estudo pretende entender mais sobre esses animais que gastam 75% de seu tempo no subsolo em tocas escavadas por suas garras impressionantes.

Os cientistas usaram câmeras sensíveis ao movimento, entre 2010 e 2012, e registraram 24 espécies diferentes, utilizando as "casas" dos tatus para diversos motivos.

Entre as espécies, os pesquisadores registraram mamíferos, entre eles o javali, o puma, o quati e a jaguatirica, e aves, como a seriema, a gralha e o mutum.

No total, outras três espécies de tatu foram registradas usando a toca por períodos contínuos. Eles incluíram o tatu-galinha, o Cabassous unicinctus (popularmente conhecido como tatu de rabo mole comum), e o tatupeba.

As tocas dos tatus-canastra podem ter até 5 metros de profundidade. Renata Leite Pitman foi a primeira pesquisadora a documentar o papel dos tatus-canastra como engenheiros do ecossistema, na Amazônia, em 2004.

"É incrível ver como uma espécie tão reservada pode desempenhar um papel tão importante dentro da comunidade ecológica", disse o coordenador do projeto Arnaud Desbiez, do Royal Zoological Society da Escócia. Ele espera que a revelação sobre o papel fundamental desses animais nos ecossistemas resulte em uma maior proteção da espécie.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.