Criação de abelhas nativas gera renda e combate o desmatamento na Amazônia

Por Maria Fernanda Ziegler - enviada a Manaus* |

compartilhe

Tamanho do texto

Pequenos produtores usam técnica natural para aumentar polinização e produção de frutas

Maria Fernanda Ziegler
As colmeias de abelhas amazônicas ficam entre as árvores de frutas e protegidas da chuva com telhas

No cantinho da propriedade de Ivanildo Alves dos Santos, nos arredores de Manaus, há um espaço reservado para várias colmeias. As "caixinhas" são responsáveis pelo aumento e melhora na produção de frutas como abacaxi, urucum, açaí, graviola e coco. Só na cultura de açaí, a produção foi quase dobrada.

As abelhas nativas sem ferrão do gênero Melipona, típicas da região, estão entre os principais polinizadores da floresta amazônica. " A produção de frutas aumentou e a qualidade também melhorou, elas estão mais doces", disse ao iG Santos, dono de uma pequena propriedade rural de 13 hectares.

Além das frutas mais doces, o orçamento também foi engordado com a venda do mel. Diferente do mel comum, oriundo da abelha africana (Apis mellifera) e conhecido em todo o Brasil, o mel da abelha nativa produz um mel mais doce e mais nutritivo e também mais caro. Santos produz por ano 40 litros de mel, vendidos em Manaus por 50 reais o litro. A produção é baixa, pois estima-se que as abelhas sem ferrão produzam somente 10% que a abelha africana produz.

Leia também:
Declínio de insetos polinizadores ameaça lavouras em todo o mundo
Abelha brasileira é batizada em homenagem à série 'Big Bang Theory'
Estilistas britânicos fazem campanha para salvar abelhas

Sousa está seguindo uma nova tendência na região do entorno de Manaus. De acordo com o presidente da Associação de Melipolicultura de Manaus, o agricultor Sérgio Souza, são 80 associados e outros tantos produtores não associados.

"A produção de mel não é a atividade número um de cada produtor, mas é algo que está dando dinheiro e melhorando as outras culturas das pequenas propriedades", disse Souza. O uso das abelhas ajuda a reverter os impactos do desmatamento. Ao voar de flor em flor, elas promovem o transporte do pólen e a reprodução das plantas.

Caixas para evitar a derrubada de árvore
Souza produz as colmeias, as mesmas usadas na propriedade de Santos. Isto porque naturalmente as abelhas nativas não constroem colmeias, elas produzem o mel nos troncos das árvores e para retirar o produto, seria preciso derrubá-las.

Mas uma caixa, que faz as vezes de colmeia, resolveu este problema. Na verdade é uma engenhoca com cinco caixinhas colocadas umas sobre as outras. Em cada compartimento fica depositado, o mel, as abelhas, o ninho e a lixeira, com fezes e abelhas mortas. Souza vende cada colmeia a R$ 200.

Um projeto coordenado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Amazônicas e com o apoio do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas (Ifam) foi desenvolvido para incentivar o uso da meliponicultura na região. As colmeias desenvolvidas pelos pesquisadores do Inpa, ficaram conhecidas pelo nome do instituto e são até vendidas pela internet.

*A repórter viajou a convite da Fundação Banco do Brasil.

Leia tudo sobre: abelhasamazôniaamazonasinsetos

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas