Cientistas estão a ponto de extrair água mais pura do mundo

Embora seja desconhecida a profundidade do lago Vostok, no gelo da Antártida, acredita-se que em semanas perfurador o alcance

EFE |

Cientistas russos estão prestes a extrair água mais pura e antiga do planeta no lago Vostok, situado sob o gelo na Antártida, informou nesta quarta-feira à Agência Efe Valery Lukin, chefe da expedição antártica da Rússia.

"Recomeçamos a perfuração do gelo antártico em 2 de janeiro. Neste tempo, avançamos 16 metros", afirmou Lukin, subdiretor do Instituto de Pesquisas Árticas e Antárticas (IIAA), com sede em São Petersburgo.

Embora seja desconhecida com exatidão a profundidade máxima do lago, o cientista acredita que nas próximas semanas o perfurador, que no ano passado superou 70 metros de gelo grosso em menos de um mês, chegue ao seu destino.

"Estamos em 3.736 metros e poderiam faltar entre 10 e 50", disse Lukin, que destacou que os cientistas usaram o método sísmico e de radiolocalização para calcular os dados, cuja margem de erro é de cerca de 20 metros.

Lukin explicou que a expedição russa chegou à Antártida em 28 de novembro e dedicou mais de um mês para preparar os equipamentos e analisar as mudanças observadas no gelo para retomar a perfuração.

No ano passado, a expedição russa se viu obrigada a adiar os trabalhos devido ao aumento da pressão e a diminuição das temperaturas, formando cristais de gelo que impediram seu avanço.

O Vostok, lago que ficou escondido durante milhões de anos, abriga um ecossistema único que está repleto de oxigênio com níveis 50 vezes superiores aos de água doce.

"Essa água é provavelmente a mais pura e antiga do planeta. Não temos provas concretas, mas dados de que a superfície é estéril, embora no fundo do lago haja formas de vida como termófilos e extremófilos (microorganismos que vivem em condições extremas)", destacou Lukin.

Conforme os cientistas russos, os resultados da exploração do lago antártico serão fundamentais para o estudo da mudança climática na Terra durante os próximos séculos, já que o Vostok é uma espécie de termostato isolado do resto da atmosfera e da superfície da biosfera durante milhões de anos.

Com cerca de 300 quilômetros de comprimento, 50 de largura e quase 1 mil metros de profundidade em algumas áreas, o Vostok é uma massa de água doce em estado líquido que está no centro da Antártida.

Com uma superfície de 15.690 quilômetros quadrados, similar a do siberiano Baikal, a maior reserva de água doce do mundo, o Vostok é o maior lago subterrâneo entre os mais de 100 que estão sob o gelo antártico.

Descoberto em 1957 por cientistas russos, o Vostok foi incluído na lista das descobertas geográficas mais importantes do século 20.

    Leia tudo sobre: rússiaáguaperfuração

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG