Humanos poderão "comprar" a imortalidade a partir de 2050, diz especialista

Avanços no campo da engenharia genética podem garantir a "reversão" do envelhecimento de nossas células, o que seria responsável por burlar a morte
Foto: Pixabay
Os seres humanos poderiam ser imortais a partir de três maneiras: a engenharia genética, os robôs ou a realidade virtual


Você já pensou em viver eternamente? A busca pela imortalidade é um grande fascínio da humanidade, que desde a Grécia Antiga tenta “enganar” a morte das mais diversas maneiras. Milhares de anos depois, o sonho dos gregos pode se tornar realidade: para o futurologista Ian Pearson, as pessoas poderão se tornar imortais já em um futuro próximo, estimado no ano de 2050.

Leia também: Cientistas criam óvulos humanos em laboratório pela primeira vez na história

De acordo com o Daily Mail , a engenharia genética está próxima de alcançar o seu “Santo Graal”, que seria a possibilidade de reduzir – ou reverter – o envelhecimento das células, e assim estender a expectativa de vida e tornar humanos imortais . Esta, porém, é apenas uma das possíveis maneiras para atingir a tão sonhada imortalidade: as outras duas possibilidades, citadas por Pearson, incluem consciência virtual e corpos androides.

“Existem muitas pessoas interessadas na vida eterna. Elas sempre existiram, mas a diferença é que, agora, a tecnologia está se desenvolvendo tão rapidamente, que todos estão acreditando realmente poder alcançá-la”, disse o futurologista, em entrevista ao The Sun

Tal feito poderia ser atingido em 2050, o que significa que qualquer pessoa nascida após 1970 estaria apta a “comprar” a imortalidade. Isso porque “em 2050, isso só será uma realidade para ricos e famosos”, como o engenheiro pontuou. “A maioria das pessoas de classe média só conseguirão pagar nos anos 2060”.

Se Pearson já simulou uma data, a forma como tal feito poderá ser alcançado ainda não foi definida. Três tecnologias poderiam ser as responsáveis pela "vida eterna": a engenharia genética, a consciência virtual e os robôs.

Engenharia genética

Atualmente, cientistas já conseguiram criar, com sucesso, tecidos e órgãos humanos em laboratório. Eles seriam usados em transplantes, para reduzir a dependência de doadores e os números de rejeições. A reconstrução de partes do corpo é uma das maneiras apontadas para “burlar” a morte, mas a engenharia genética também encontrou outras formas.

“Ninguém quer viver para sempre a partir dos 95 anos de idade, mas se você pudesse rejuvenescer seu corpo até os 29 ou 30 anos, você pode querer isto [a imortalidade]”. Para isso, o ramo da ciência tem trabalhado para conseguir reverter o envelhecimento das células, que naturalmente começam a falhar conforme os anos passam.

Apesar de empolgantes, estas maneiras não são as mais prováveis de obterem sucesso, já que devem contar com complicações. A alternativa mais realista proposta pelo futurologista, na realidade, envolve robôs e “conchas artificiais”.

Leia também: Com telescópio Kepler, Nasa descobre mais 95 planetas fora do Sistema Solar

Androides e "consciência na nuvem"

A ideia envolve conectar nossas consciências com uma rede internacional, e quando nossos corpos entrarem em falência, poderíamos “baixar nossos pensamentos” em androides, uma ideia já abordada em ficções utópicas, como a série “Carbono Alternado”, lançada recentemente.

“Muito antes de ‘consertarmos’ nossos corpos e rejuvenescê-los toda a vez que sentirmos vontade, poderemos ligar nossas mentes às máquinas e viver na nuvem”, Pearson explicou. Mais uma vez, o custo da “imortalidade virtual” seria alto, e em meados de 2050, apenas as classes mais altas poderiam custeá-la.

Leia também: Abelhas 'alienígenas' podem estar causando extinção de plantas no Egito; entenda

A última possibilidade é mais ambiciosa: envolve um mundo completamente virtual , onde os corpos seriam descartados e as pessoas, cujas consciências seriam imortais, viveriam dentro de mundos criados pela tecnologia.

Link deste artigo: http://ultimosegundo.ig.com.br/ciencia/2018-02-19/humanos-imortais-2050.html