Tamanho do texto

Projeto visa desenvolver sistema que aumente o tempo de missões robóticas e tripuladas em Marte, na Lua e em outros destinos do sistema solar; entenda

Nasa iniciou os testes em novembro do ano passado e estima estar com o sistema em perfeito funcionamento até março
Reprodução/Nasa
Nasa iniciou os testes em novembro do ano passado e estima estar com o sistema em perfeito funcionamento até março

A Agência Espacial Americana (Nasa) comunicou, na quinta-feira (18), que os testes para um sistema de energia nuclear , com o objetivo abastecer e facilitar missões em Marte, estão ocorrendo com êxito. O projeto Kilopower foi detalhado em uma coletiva de imprensa em Las Vegas, juntamente do Departamento de Energia dos Estados Unidos.

Leia também: Olhe para o céu! Os nove melhores eventos astronômicos para observar em 2018

De acordo com a Nasa , a iniciativa visa desenvolver um sistema que possa tornar maior o tempo de missões robóticas e tripuladas na superfície de Marte, da Lua, além de outros destinos do sistema solar. Os cientistas, que deram início ao projeto em novembro do ano passado, no departamento de Segurança Nacional de Nevada, estimam ele esteja funcionado perfeitamente até março.

"Na Lua, o Kilopower poderá ser implantado para ajudar na busca de recursos em crateras permanentemente sombreadas. Nós queremos uma fonte de energia que possa lidar com ambientes extremos”, afirmou o tecnólogo da Nasa, Lee Mason.

O projeto

A criação de uma tecnologia sustentável, que consiga prolongar o tempo de missões espaciais, é algo desafiador. Porém, também é uma oportunidade de garantir a segurança de projetos futuros.

Leia também: Cientistas chineses descobrem o dinossauro mais "psicodélico" do mundo jurássico

Segundo informações do Daily Mail , um reator de urânio-253 é usado como protótipo para o sistema. Entretanto, ainda não é o suficiente, já que consegue alimentar somente uma torradeira de 10 quilowatts. Para os pesquisadores, são necessários aproximadamente cinco desses dispositivos para sustentar um habitat em nosso planeta vizinho.

"Marte é um ambiente muito difícil para sistemas de energia, com menos luz solar do que a Terra ou a Lua, temperaturas noturnas extremamente baixas e tempestades de areia intensas que podem durar meses, chegando a engolir o planeta inteiro.  Esperamos que esse sistema compacto nos permita fornecer muitos quilowatts de energia”, expôs o administrador associado da Direção de Missão de Tecnologia Espacial da Nasa, Steve Jurczyk.

Leia também: Sem contato há dois anos, estação espacial chinesa pode cair na Terra em março

 Vale mencionar que, em dezembro de 2017, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump , assinou uma diretiva que possibilita um retorno à Lua e uma eventual missão para Marte. Segundo os pesquisadores, o novo sistema pode contribuir para os próximos destinos, potencializando a energia de diferentes habitats e ajudando na transformação de recursos. “Com o Kilopower podemos transformar gelo em oxigênio, e até mesmo água em combustível”,  acrescentou Jurczyk.