Cientista israelense desenvolve 'hormônio da juventude' para plantas

Por BBC |

compartilhe

Tamanho do texto

Pesquisador prolongou o ciclo de vida das plantas e fez com que elas produzissem frutos mais resistentes

BBC

O biólogo Shimon Gepstein, do Instituto de Tecnologia de Israel (Technion) desenvolveu um mecanismo genético para prolongar a vida das plantas ─ estimulando a autoprodução de um hormônio chamado citocinina ─ que pode incrementar o cultivo de plantas em áreas áridas e a produção de alimentos.

Technion
Biólogo acredita que plantas modificadas podem ajudar a combater a fome

Em entrevista à BBC Brasil, Gepstein explicou que "com um mecanismo sofisticado de engenharia genética, conseguimos levar as plantas a aumentar o nível do hormônio citocinina nos períodos em que esse hormônio tende a baixar".

De acordo com o cientista, as plantas envelhecem e morrem quando o nível desse hormônio baixa. Por intermédio do novo mecanismo, o ciclo de vida das plantas é prolongado e sua biomassa aumenta, fazendo com que elas produzam frutos mais resistentes e em maior quantidade.

"Em vista da crise global dos alimentos que tende a se agravar, o mecanismo que desenvolvemos pode ser muito útil para combater a fome no planeta."

Ele conta ainda que, "por acaso", também descobriu que as plantas que passam pela intervenção genética são mais resistentes à seca.

Leia também: Argentinos criam plantas resistentes ao frio e à seca

"Esqueci de regar as plantas, na quais já havíamos aplicado o novo mecanismo hormonal, por três semanas. Elas ficaram expostas ao sol durante esse período, e quando me lembrei tive certeza que já tinham morrido", conta.

"Fiquei muito surpreso ao constatar que as plantas estavam intactas, haviam sobrevivido sem água e não sofreram quaisquer transformações."

'Hormônio da juventude'

Após esse incidente, Gepstein começou a regar as mesmas plantas com 30% da quantidade de água que geralmente é necessária para plantas normais.

Os resultados foram positivos. As plantas continuaram crescendo, mesmo com um terço da água.

"Essa experiência demonstra que, além de resolver o problema da fome, o novo mecanismo genético também pode ser a resposta para o problema da escassez de água no planeta", afirma.

Leia também: Para plantas, resistência a infecção tem um custo

Agora, o biólogo também se dedica ao desenvolvimento de plantas para a produção de biocombustível. "A maior resistência das plantas à escassez de água possibilita que o biocombustível seja cultivado em áreas áridas, e assim poderemos poupar as áreas férteis para a produção de alimentos."

Gepstein garante que esse tipo de intervenção genética não é prejudicial à saúde humana.

"Concordo que a intervenção genética muitas vezes é complicada e pode ser prejudicial à saúde, principalmente quando se introduz hormônios estranhos às plantas, mas neste caso não interferimos na estrutura da própria planta, apenas estimulamos as plantas a produzirem, por si mesmas, um hormônio que elas já têm", diz.

O departamento de Biologia do Technion já fez experiências com o "hormônio da juventude" em plantas de tabaco, arroz, tomate e trigo. De acordo com Gepstein, todas elas foram bem sucedidas.

A BBC Brasil pediu a opinião de um especialista em genética de plantas da Faculdade de Agricultura da Universidade Hebraica de Jerusalém a respeito da manipulação genética das plantas.

De acordo com o especialista, que preferiu não se identificar, "o nível do hormônio citocinina é de fato um fator significativo na capacidade das plantas de sobreviverem em condições duras".

No entanto, ele acredita que chamar a substância de "hormônio da juventude" seria um "exagero". "Infelizmente é necessário bem mais do que um só gene para salvar o mundo da fome. Para aumentar a produção agrícola é necessária uma pirâmide inteira de genes."

"O que a citocinina faz é retardar o envelhecimento das folhas. Assim, ela contribui para a resistência da planta em condições de escassez de água. Mas infelizmente, nesse assunto, os avanços são mais complexos e demoram mais".

Leia também: Conheça 10 transgênicos que já estão na cadeia alimentar

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas