Análise química de rocha perfurada pelo jipe-robô Curiosity confirma que superfície do planeta tem minerais e água em quantidade suficiente para vida microbiana

Pó de rocha coletada pelo Curiosity, e que foi analisado pelos intrumentos do robô
Nasa
Pó de rocha coletada pelo Curiosity, e que foi analisado pelos intrumentos do robô

A primeira análise de amostras de rochas marcianas feitas pelo Curiosity, da Nasa, indica que a missão já pode ser considerada um sucesso: antes mesmo de chegar ao Monte Sharp, seu objetivo inicial, o Curiosity já conseguiu descobrir condições favoráveis à vida microbiana em Marte, segundo anunciou a agência espacial americana nesta terça-feira (12).

Infográfico: Conheça toda a tecnologia do Curiosity

Entre os elementos químicos encontrados em uma rocha, chamada pelos cientistas de John Klein, estão nitrogênio, hidrogênio, oxigênio, fósforo, enxofre e carbono, todos ingredientes vitais para o desenvolvimento de bactérias e outros microorganismos. Além disso, as rochas continham argila que foi formada em um ambiente aquoso - um ambiente favorável para vida, com pH neutro e quantidades apropriadas de sais.  


"Encontramos um ambiente tão benigno e propício à vida que se esta água estivesse disponível, alguém que estivesse em Marte poderia bebê-la," afirmou John Grotzinger, diretor da missão Curiosity no Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa, durante entrevista coletiva no quartel-general de Washington. Além disso, a composição de substâncias poderia ter funcionado como uma espécie de 'bateria", que poderia fornecer energia química aos micróbios.

Leia também:
Curiosity encontra mais indícios de água em Marte
Bactérias terrestres poderiam resistir em Marte, diz estudo
2012: o ano em que Marte voltou ao imaginário humano
Magnata quer mandar casal para a órbita de Marte 

Logo no início da missão o Curiosity já havia se deparado com um leito de rio antigo, o que comprovava a presença de água corrente na região de pouso do robô. Foi ali que os cientistas resolveram perfurar sua primeira amostra.

A análise não chegou no entanto a confirmar a existência de compostos orgânicos imprescindíveis à vida tal qual a conhecemos na Terra. Mas os cientistas dizem ter a esperança de resolver essa questão.

O Curiosity não se propõe a encontrar vida em Marte, e sim os compostos orgânicos que tenham sido eventualmente preservado.

A próxima perfuração do Curiosity acontecerá em maio. A pausa nas atividades científicas acontecerá por causa da checagem dos equipamentos, ocasionada por uma falha recente no computador do robô , e o período de conjunção solar, no qual o Sol ficará entre Marte e Terra, prejudicando a comunicação entre os dois planetas.

O Curiosity chegou a Marte em agosto de 2012 para uma missão com duração prevista de dois anos.


(Com informações da AP e Reuters)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.