Cidade destruída pela erupção do Vesúvio em 79 d.C. é um dos maiores sítios arqueológicos do mundo

BBC

A União Europeia anunciou um projeto de quase US$ 150 milhões (R$ 300 milhões), em conjunto com o governo italiano para a preservação das ruínas de Pompeia, que estão em mau estado de conservação.

O local, um dos maiores sítios arqueológicos do mundo, abrigou Pompeia até o ano 79 dC, quando esta foi destruída por uma erupção do Vesúvio.

Leia mais:
Polícia italiana recupera cabeça de estátua roubada de Pompeia
Esgoto de cidade soterrada revela segredos sobre Roma Antiga
Exposição em Roma tenta reabilitar imagem de Nero
Cientistas descobrem local exato onde Júlio César foi assassinado

O local é hoje um valioso registro da vida nos tempos romanos. Mas a negligência com esse patrimônio histórico fez com que ele fosse colocado em estado de emergência.

Representantes europeus dizem que a preservação das ruínas pode trazer grandes benefícios econômicos, na forma de novos empregos e turismo.

Um empecilho é a presença constante da máfia italiana da Camorra. Muitos temem que ela acabe abocanhando uma parte dos investimentos do projeto. A União Europeia e o governo italiano, porém, prometem tomar medidas para evitar que isso aconteça.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.