Sol se move pelo espaço mais devagar do que o esperado

Descoberta mostra que não movimento não gera onda de choque como cientistas acreditavam. Efeitos para a Terra são desconhecidos

Alessandro Greco, especial para o iG |

NASA/ESA
Velocidade da heliosfera não condiz com modelos propostos nos últimos 25 anos
O sol está se movendo pelo espaço mais devagar do que os cientistas imaginavam. Esta é a conclusão de um estudo publicado nesta quinta-feira no periódico científico Science.

Mais especificamente, o Sistema Solar, do qual o Sol faz parte, viaja pelo espaço dentro de uma “bolha” de ventos solares e campo magnético chamada heliosfera.

Pesquisadores liderados por David McComas, do Southwest Research Institute, no Texas, Estados Unidos, descobriram que esse deslocamento em relação ao espaço interestelar é menor do que se supunha e consequentemente a heliosfera não gera uma onda de choque similar à criada por um avião ao quebrar a barreira do som.

Leia também:
Imagens captadas pela Nasa mostram rosto no Sol

Calmaria no Sol: manchas solares devem desaparecer em 2020
Cometa sobrevive a encontro com Sol
Confins do sistema solar têm zona de turbulência magnética

O resultado contraria 25 anos de pesquisas que afirmavam que a onda de choque existia. “É muito cedo para saber com precisão o que estes novos dados significam para a nossa heliosfera. A descoberta de que não há uma onda de choque à frente dela significa que teremos de refazer modelos e teorias nas quais as incluímos e verificar como isto pode afetar a entrada dos raios cósmicos na atmosfera.”, afirmou McComas ao iG . Em relação aos possíveis efeitos da descoberta para a Terra, o pesquisador acredita que “tudo é possível, mas como não sou especialista, não posso especular sobre isso”.

O levantamento dos dados da pesquisa foi feito pela nave espacial IBEX, da Nasa. Eles foram combinados com cálculos analíticos, modelagem matemática e simulações para determinar quais seriam as condições necessárias para a criação de uma onda de choque deste tipo. “Ondas de choque certamente existem à frente de outras estrelas. O que descobrimos é que a interação do nosso Sol com o meio interestelar não atinge o ponto crítico para formar uma delas”, explicou McComas. E completou: “uma onda suave é uma descrição mais acurada do que está ocorrendo à frente da nossa heliosfera – muito parecida à que se forma quando um barco desliza pela água”.

    Leia tudo sobre: solheliosferaespaçosistema solar

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG