Estudo polêmico sobre mutação da gripe das aves é publicado

Periódico científico Nature publicou estudo sem que tivessem sido alterados "os elementos científicos essenciais"

AFP |

Um controverso estudo sobre uma mutação do vírus da gripe das aves foi publicado nesta quarta-feira pela revista científica britânica Nature, sem que tivessem sido alterados "os elementos científicos essenciais". A revista também difundiu um relatório de uma agência de biossegurança favorável à publicação.

Assim, a Nature publicou o estudo de uma equipe do Wisconsin, chefiada por Yoshihiro Kawaoka, enquanto o cientista holandês Ron Fouchier está "revisando" o trabalho antes de sua divulgação da revista Science.

A equipe de Kawaoka explica que introduziu uma mutação por meio de um gene chave do vírus H5N1, tornando-o mais compatível com as células do sistema respiratório humano. Posteriormente, os cientistas usaram o vírus da gripe suína H1N1, que provocou uma pandemia em 2009, para criar um "híbrido H5/H1".

Leia mais:
Especialistas dos EUA autorizam publicação de estudos sobre gripe aviária
Cientistas suspendem estudo sobre gripe aviária
Revistas científicas avaliam publicar estudo sobre vírus mortal
OMS está "profundamente preocupada" com mutação da gripe aviária
Cientistas descobrem novo anticorpo da gripe

Depois, seis furões foram infectados com o vírus mutante e estes transmitiram o vírus a outros furões pelo ar, mas nenhum deles morreu.

A Nature também publicou o artigo de uma agência de biossegurança no qual afirma que os benefícios da publicação superam os riscos de um uso mal-intencionado da informação divulgada.

No fim de março, um painel não governamental de especialistas científicos e de segurança nos Estados Unidos havia dado luz verde para a publicação completa dos estudos sobre a gripe das aves mutante, revertendo a decisão anterior de omitir detalhes chave da pesquisa.

Especialistas dos Estados Unidos se opuseram previamente à publicação destes estudos, que mostravam como um vírus da gripe H5N1 criado em laboratório podia ser facilmente transmitido pelo ar entre os furões - por temor de que a informação acabasse em mãos erradas e desencadeasse uma pandemia mortal de gripe.

No fim de março, ao contrário, especialistas do Conselho Assessor Nacional Científico de Biossegurança (NSABB) consideraram que "a compreensão das mutações específicas pode melhorar a vigilância internacional e a saúde pública e a segurança".

Os especialistas concordaram por unanimidade em que a pesquisa da equipe do Wisconsin devia ser publicada na íntegra, segundo o previsto pela Nature.

No entanto, a votação sobre a pesquisa de Fouchier foi aprovada por 12-6 votos, indicando que persistiam algumas dúvidas entre os membros.

Estima-se que a gripe das aves seja responsável pela morte de mais da metade das pessoas que infecta, o faz dela uma doença muito mais letal do que as cepas típicas do vírus sazonal. Segundo a Organização Mundial da Saúde, houve 573 casos de gripe das aves H5N1 em humanos em 15 países desde 2003, com 58,6% de casos fatais.

    Leia tudo sobre: ciênciagripe aviáriabioterrorismo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG