Mais uma integrante da 'Gangue das Loiras' é presa

Vanessa Vendramini, irmã da primeira loira detida, foi presa em uma casa em Poá após denúncia anônima; gangue atuava em sequestros relâmpagos

AE |

selo

Divulgação
Vanessa Vendramini, loira da gangue
Mais uma mulher suspeita de integrar a 'gangue das loiras' foi presa na Grande São Paulo, de acordo com a Secretaria de Segurança Pública (SSP). Vanessa Geremias Vendramini foi detida em uma residência em Poá, após denúncia anônima, e não apresentou resistência. Ela foi transferida nesta quarta-feira para a capital paulista, onde foi reconhecida.

Veja galeria com fotos de loiras suspeitas

A denúncia foi feita a policiais da Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes (Dise) que, ao verificarem, encontraram Vanessa na casa de uma prima na Vila Monteiro, por volta das 21h30 de terça-feira. O delegado de Itaquaquecetuba, Eduardo Boigues, comunicou a prisão para o Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP).

Vanessa é irmã de Carina Vendramini, a primeira integrante da gangue das loiras a ser presa, em Curitiba . Além de ambas, Wagner Gonçalves de Oliveira, apontado como líder e único homem da quadrilha, e a mulher dele, Monique Awoka Scasiota - a única morena do grupo -, já foram detidos em Praia Grande, no litoral de São Paulo.

Segundo a 3ª Delegacia Antissequestro do DHPP, responsável pela investigação, permanecem foragidas Priscila Amaral, Franciely dos Santos e Liumara Valezin, cujo o marido foi detido por engano, apontado como o chefe da quadrilha por ter o mesmo nome que o verdadeiro suspeito.

Saiba mais:  Jovem integrante da 'gangue das loiras' é casada e tinha vida dupla, diz polícia

Loiras da gangue eram amigas de Facebook

Vítima da 'gangue das loiras' disse que reconheceu criminosos pelos apelidos

A gangue das loiras é acusada de praticar ao menos 50 sequestros relâmpago e roubos desde 2008 em São Paulo e também já teria agido em outras cidades.

Wagner Oliveira seria chamado de "Clyde" por elas, que receberiam o apelido de "Bonnie". A maneira como o grupo atua tem chamado a atenção. Cada loira abordava as vítimas em estacionamentos de supermercados e shoppings, circulava com a vítima no carro e, ao final, levava pertences dela. Quando efetuava uma compra com o cartão de alguma vítima, porém, uma outra integrante era quem assumia a ação.

    Leia tudo sobre: loira presagangue das loiras

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG