Parque Santo Antônio, Capão Redondo e Campo Limpo, na periferia, registraram 149 assassinatos no ano passado

A zona sul é a região que concentra os bairros onde foram registrados os maiores índices de homicídios dolosos (quando há intenção de matar) no ano passado, segundo levantamento do iG, com base em dados divulgados pela Secretaria de Segurança Pública (SSP), na última segunda-feira (27).

Conheça a home do Último Segundo

O 92ºDP, delegacia que abrange a região do Parque Santo Antônio (zona sul), registrou 54 homicídios no ano passado (média de 4,5 mortes por mês) e ficou no primeiro lugar no ranking das delegacias com mais homicídios registrados em 2013. Apesar de alto, o número representa queda de 21% em relação aos 68 assassinatos registrados no ano de 2012.

Na sequência, aparecem o 47ºDP (Capão Redondo), com 48 homicídios, e 37ºDP (Campo Limpo), com 47 assassinatos cometidos no ano passado. As duas regiões também diminuíram os índices de homicídios em relação a 2012, quando registraram 51 e 52 assassinatos, respectivamente.

No geral, a cidade de São Paulo, segundo os dados da SSP, apresentou redução no número de homicídios, que passou de 1.368 em 2012 (com 1.497 vítimas) para 1.176 (1.256) em 2013 — queda de 14%. A diferença entre o número de casos e o número de vítimas é que podem morrer mais de uma pessoa em cada ocorrência.

Na contramão dessa redução, a delegacia do Jardim Miriam (98ºDP), também na zona sul, teve alta de 70% no número de homicídios, passando de 20 em 2012 para 34 no ano passado.

Ainda na zona sul, o 27ºDP, do Ibirapuera, bairro de classe média, registrou aumento de 150% no número de homicídios e passou de quatro casos em 2012 para dez no ano passado.

Roubos

Diferente dos homicídios, todas as modalidades de crime contra o patrimônio (roubos, roubos a veículos, furtos e latrocínios) cresceram em 2013 na comparação com o ano anterior, segundo a SSP.

Leia mais 

Número de latrocínios sobe 38,6% na capital paulista em 2013

O número de latrocínios, que são os casos de roubo seguido de morte, cresceu 38,61% entre 2012 e 2013 na cidade de São Paulo. No ano passado, foram 140 casos do tipo e, em 2012, foram registradas 101 ocorrências.

Os latrocínios quadruplicaram no 11º DP, em Santo Amaro (zona sul). Em 2012, nenhuma ocorrência da modalidade foi registrada. No ano passado, foram quatro casos.

Os roubos gerais (que incluem bancos e cargas) cresceram 12%, passando de 111.044 em 2012 para 126.513 no ano passado.

O bairro da Sé, na região central, foi o campeão da modalidade no ano passado: foram 3.376 ocorrências, alta de 7% em relação aos 3.162 roubos registrados em 2012.

O 49º DP, responsável pela região de São Mateus, na zona leste, foi a delegacia que mais registrou a maior quantidade de roubos de veículos no passado, chegando a 2.104 ocorrências (alta de 46% em relação aos 1.438 casos registrados em 2012).

A região de Heliópolis (zona sul) teve aumento de 170% no número de veículos roubados. No ano passado, foram 797 ocorrências do tipo, contra 295 registradas em 2012.

No total, a capital registrou 50.729 casos de roubos de veículos no ano passado, aumento de 15,2% em comparação com 44.020 casos registrados em 2012.

O secretário de segurança, Fernando Vieira Grella, disse, durante a apresentação dos índices de criminalidade na última segunda-feira, que não está satisfeito com os índices. “É evidente que não estamos satisfeitos, principalmente em decorrência do aumento de crimes contra o patrimônio, como roubos e latrocínios, que são graves e afetam a sensação de insegurança", afirmou.

Ele disse ainda que a situação deve mudar a “médio prazo”. "No segundo semestre entra em vigor a lei dos desmanche aprovada pela Assembleia Legislativa e isso deve permitir a redução gradual no número dos roubos e furto de veículos". Para Grella, 50% dos latrocínios estão relacionados com o roubo de veículos.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.