Dimas negou à Corregedoria a existência de qualquer denúncia formal por parte de Andreia Pesseghini

Agência Estado

A Secretaria de Segurança Publica (SSP) divulgou o Termo de Declarações à Corregedoria da Policia Militar onde o coronel Wagner Dimas, comandante do 18º Batalhão, esclarece sua posição em relação à afirmação, feita nesta quarta-feira (07), em entrevista à Rádio Bandeirantes, de que a cabo Andreia Regina Pesseghini teria denunciado PMs com envolvimento em roubos a caixas eletrônicos.

Leia também:
Após voltar atrás, comandante de PM morta presta depoimento
Alienação mental e patologia social podem explicar tragédia familiar em SP
Abalado, irmão de PM morta desiste de buscar cachorro e chaves da casa

Segundo o novo relato, Dimas não sabia que a conversa, por meio do celular, se tratava de uma entrevista gravada. O comandante negou à Corregedoria a existência de qualquer denúncia formal por parte da cabo, assassinada na ultima segunda-feira (5).

Ele disse ainda que Andreia não forneceu "qualquer dado", mesmo que informalmente, a respeito do assunto. Dimas argumentou que se perdeu ao tentar se explicar para o repórter. Perguntado se algum oficial de seu batalhão foi transferido ou afastado por suspeitas de irregularidades, o comandante negou a informação.

Sobre ter afirmado que não acreditava que o filho do casal de PMs, Marcelo Eduardo Pesseghini, pudesse ter matado os pais, a avó e a tia-avó e, depois, cometido suicídio, o coronel Dimas disse que aguarda os laudos da polícia cientifica para uma conclusão definitiva. O comandante esteve na casa dos policias na noite de segunda e teve acesso à cena do crime e às provas imediatamente colhidas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.