Movimento que organizou as passeatas afirmou que esse foi o último protesto na capital paulista pela redução das passagens. Mas o MPL diz que luta pela tarifa zero vai continuar

A capital paulista teve nesta quinta-feira (20) a sua maior manifestação pela queda do preço da passagem do transporte público. Cerca de 100 mil pessoas, segundo a estimativa da Polícia Militar, passaram pela avenida Paulista no ato em comemoração à conquista da revogação do aumento . Tirando um confronto inicial entre manifestantes pertencentes a partidos políticos e contra eles, o protesto pacífico foi o último motivado pela aumento da passagem, segundo o Movimento Passe Livre (MPL), que organizou os sete atos.

Leia também:
Participação do PT em ato em São Paulo termina com briga e fuga
Veja como foi o sétimo dia de manifestação em São Paulo
Confira imagens do sétimo dia de protestos em São Paulo

"A manifestação cumpriu sua obrigação que era de comemorar a queda da tarifa. Essa é a ultima manifestação contra o aumento da tarifa. Mas o MPL vai continuar lutando pela tarifa zero", disse Lucas Monteiro, de 29 anos, integrante do grupo.

A manifestação ocorreu em sua maior parte com tranquilidade. Segundo a PM, apenas um incidente grave ocorreu durante a passeata: um conflito entre membros de partidos políticos e outros grupos, liderados especialmente um grupo supostamente de extrema direita. Uma pessoa saiu ferida e foi socorrida pela PM. Além disso, uma pessoa foi presa com coquetel molotov, na rua Bela Cintra, e outras duas presos acabaram detidas por pichação na alameda Itu. 

Veja abaixo imagens dos integrantes do PT sendo hostilizados:


Na avenida Paulista, a manifestação se dividiu em alguns blocos distintos: Em um deles, as pessoas hostilizam e protestam contra partidos políticos, a corrupção e gastos excessivos para as obras da Copa do Mundo. Os ativistas desse grupo gritam palavras de ordem contra a presidenta Dilma Rousseff, o prefeito Fernando Haddad, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Eles pedem mais recursos para a educação e saúde.

Jovem fica ferido em confronto entre manifestantes com partido e sem partido
Ricardo Galhardo
Jovem fica ferido em confronto entre manifestantes com partido e sem partido

A manifestação do segundo grupo, encabeçado pelo Movimento Passe Livre (MPL), partidos políticos e movimentos sociais foi encerrada na praça Oswaldo Cruz. Nesse grupo estavam os movimentos estudantis, membros de partidos como o PSTU, o PSOL e o PT, o movimento gay e a Central de Movimentos Populares.

A avenida Paulista continuou tomada até o fim da noite. Parte dos ativistas se deslocou até a Câmara dos Vereadores, na região central da cidade. Outro grupo fechou a avenida 23 de Maio, e marchou até a Assembleia Legislativa do Estado. Após as manifestações, 

A manifestação foi convocada pelo Movimento Passe Livre (MPL) e comemora a revogação do aumento nas tarifas do transporte público na capital e lembra das pessoas que seguem presas ou sofrendo processo criminal devido às manifestações.

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, e o governador Geraldo Alckmin anunciaram nesta quarta-feira (19) a revogação do aumento das tarifas do transporte público. Com isso o valor passa de R$ 3,20 para R$ 3 . A decisão vale para ônibus que circulam dentro do município, trens e metrô. Apesar de a revogação já estar valendo, há a necessidade de um período de até cinco dias para que os leitores de passagem sejam ajustados.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.