Tamanho do texto

Em mais uma noite violenta, manifestantes entraram em confronto com a Polícia Militar na região da avenida Paulista, região central. Entre os detidos, estão estudantes e jornalistas

O quarto dia de protestos contra o aumento da tarifa do ônibus em São Paulo terminou com 232 detidos. As informações foram contabilizadas pela Polícia Militar do Estado até as 2h20 desta madrugada. Por isso, segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP), os números devem ser atualizados nas próximas horas. Na noite de quinta-feira (14), manifestantes entraram em novo confronto com a polícia nas ruas da capital. O iG acompanhou e relatou cenas de violência :

Vídeo: Veja imagens e personagens do confronto desta quinta-feira em SP
PM prende, agride e impede trabalho de jornalistas em protesto em São Paulo
Jornalista detido por 'porte de vinagre' durante protesto é liberado em SP
Repórter é baleada no olho com bala de borracha durante protesto em São Paulo
Haddad diz que valor da passagem será mantido e repudia violência dos protestos

Até o horário informado pela corporação, 194 pessoas foram apreendidas e encaminhadas ao 78º DP, dos Jardins, e 34 ao 1º DP, da Sé. No entanto, não há confirmação de quantos foram liberados e os que seguem presos. A maioria foi detida pela PM na região do centro enquanto se dirigia para o local do ato , o Theatro Municipal, no centro.

A polícia informou que a maioria dos jovens foram presos por estarem com vinagre (usado para diminuir o ardor nos olhos pelo gás lacrimogêneo), coquetel molotov e objetos suspeitos nas imediações do protesto. Antes da passeata começar, os policiais entraram em confronto com os jovens e membros da imprensa foram agredidos.

O repórter da revista Carta Capital Piero Locatelli foi levado pela polícia e pelo menos outros dois, um da TV Folha e outro do jornal Metro, foram agredidos . A Secretaria de Segurança Pública São Paulo informou que os detidos foram levados para um ônibus da PM parado perto do teatro. No início da noite, Locatelli foi liberado pela polícia.

Após muita confusão na concentração, os manifestantes iniciaram a passeata por volta das 18h30 saindo do Theatro Municipal em direção à avenida Paulista, pegando a Barão de Itapetininga e a rua da Consolação. Para tentar impedir que os manifestantes tomassem o sentido centro da rua da Consolação, os policiais dispararam balas de borracha e bombas de gás lacrimogêneo. Houve correria e os grupos se dispersaram para a rua Augusta e para a Praça Roosevelt, onde ocorreram novos confrontos.