Prefeito de São Paulo reafirmou que a redução da tarifa de ônibus não está em consideração pelo governo municipal

Agência Estado

O prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) lamentou as cenas de violência de manifestantes e policiais nos últimos protestos realizados no centro da capital paulista contra o aumento da tarifa. Além de criticar as ações de depredação pelos manifestantes, o prefeito de São Paulo afirmou que as imagens desta quinta-feira (13), sugerem o abuso do poder policial. "A maneira como as coisas são conduzidas não constrói uma solução." Segundo ele, a prefeitura já se colocou a disposição de um diálogo com o movimento, desde que os protestos não apresentem atos de vandalismo.

Vídeo: Veja imagens e personagens do confronto desta quinta-feira em SP
PM prende, agride e impede trabalho de jornalistas em protesto em São Paulo
Jornalista detido por 'porte de vinagre' durante protesto é liberado em SP
Repórter é baleada no olho com bala de borracha durante protesto em São Paulo
Haddad diz que valor da passagem será mantido e repudia violência dos protestos

Haddad ainda afirmou que a redução da tarifa de ônibus não está em consideração pelo governo municipal. Nessa quarta-feira (12), o Ministério Público de São Paulo sugeriu que o valor das passagens, hoje de R$ 3,20, retornassem para R$ 3 por 45 dias. Sob essa condição, os manifestantes concordaram em não realizar protesto durante o período.

"Você acha que se eu pudesse não ter aumentado, eu teria aumentado? A prefeitura não tem fonte de financiamento para mais subsídio", disse Haddad, justificando que o aumento foi necessário e que não há margem para redução do preço da tarifa.

Em entrevista à Rádio Estadão , o prefeito destacou que o compromisso do seu governo era o de realizar um aumento abaixo da inflação. "Isso nós cumprimos". De acordo com Haddad, a inflação acumulada desde o último reajuste das tarifas era de 16% e o aumento foi de 6%.

A tarifa zero - uma das bandeiras levantadas pelo manifestantes - é outra questão descartada pelo prefeito. "A tarifa zero custa R$ 6 bilhões, quem é que vai pagar essa conta?". Haddad explicou que a proposta da tarifa totalmente gratuita, apresentada pela gestão da também petista, Luiza Erundina, tinha como base dobrar o IPTU e que a população seria contra essa ideia.

Nessa quinta-feira(13), Lúcio Gregori, secretário de Transportes da gestão de 1990 e responsável pelo projeto da tarifa zero, afirmou que uma pesquisa realizada pelo governo na época apontou o apoio dos paulistanos à proposta. "76% dos paulistanos era a favor do aumento do IPTU, desde que destinado ao subsídio do transporte".

Em noite violenta, PM atirou até em quem pedia 'não machuquem os meninos' em SP

Manifestações

Na entrevista, Haddad lamentou ainda as cenas de violência de manifestantes e policiais nos últimos protestos realizados no centro da capital paulista contra o aumento da tarifa. As imagens dessa quinta, segundo o prefeito, sugerem o abuso do poder policial. "A maneira como as coisas estão sendo conduzidas não constrói uma solução." Segundo ele, a prefeitura já se colocou a disposição de um diálogo com o movimento, desde que os protestos não apresentem atos de vandalismo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.