“Continuaremos até a tarifa cair”, diz manifestante que hoje volta às ruas de SP

Por Wanderley Preite Sobrinho - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

São Paulo e Rio organizam novas manifestações contra aumento da passagem de ônibus; quatro cidades já conseguiram reduzir valor após protestos

Tércio Teixeira/Futura Press
Protesto contra aumento de tarifa em São Paulo tem confronto com a PM

Depois da manifestação de ontem que terminou em confronto entre estudantes e a Polícia Militar, o movimento Passe Livre São Paulo organiza um novo protesto para a tarde desta sexta-feira (7) contra o aumento da passagem de ônibus. Marcado para as 17h no Largo da Batata, na zona Oeste, os paulistanos esperam que aconteça na capital o mesmo que em outras cidades do Brasil: a redução da tarifa.

Membro do Movimento Passe Livre, o estudante Caio Martins Ferreira (19) acredita que o protesto de hoje receberá menos pessoas do que ontem, o que deve evitar a ocorrência de novos confrontos. “Hoje vai ser diferente porque a passeata de ontem foi divulgada durante um mês. A de hoje está sendo feita em menos de um dia. O número de pessoas será menor.”

Mais: Treze dos15 detidos após protesto em São Paulo são soltos

De acordo com ele, a nova manifestação foi convocada como forma de mandar um recado ao poder público: “O intuito hoje é deixar claro que a luta não vai parar. Nós vamos continuar na rua até a tarifa cair”.

O encontro de hoje também vai servir para divulgar “o segundo grande ato, tão grande quanto o de ontem”: “Será na próxima terça-feira (11) na Praça do Ciclista, no encontro entre as avenidas Paulista e Consolação”.

Grupo de manifestantes voltou a protestar no início da noite desta sexta-feira contra o aumento da passagem de ônibus em São Paulo. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iGCerca de 500 policias militares e um helicóptero acompanham a passeata pela avenida Faria Lima, na direção da zona sul da capital paulista. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressOs PMs fazem uma espécie de cordão de isolamento para evitar que os manifestantes impeçam o trânsita na via. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iGApós saírem da avenida Faria Lima, o grupo desceu pela Eusébio Matoso e passou em frente ao Shopping Eldorado. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iGDepois de saírem da avenida Eusébio Matoso, os manifestantes entraram na Marginal Pinheiros, em direção à Cidade Universitária, onde ocuparam a faixa local. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iGManifestantes chegaram a bloquear trânsito na pisto local da Marginal Pinheiros e PMs responderam com tiros de borracha. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressA Polícia Militar usou bombas de efeito moral para dispersar o protesto. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressApós noite de intenso protesto, avenida Paulista amanhece com sinais do confronto entre manifestantes e polícia. Foto: J. Duran Machfee/Futura PressEstação de metrô teve vidros quebrados durante protesto. Foto: J. Duran Machfee/Futura PressVidros da estação Brigadeiro, na avenida Paulista, foram quebrados durante o protesto. Foto: J. Duran Machfee/Futura PressManifestantes escreveram no asfalto da avenida Paulista. Foto: J. Duran Machfee/Futura PressLixeira da avenida Paulista foi depredada durante protesto. Foto: J. Duran Machfee/Futura PressProtesto contra aumento de tarifa em São Paulo tem confronto com a PM. Foto: Tércio Teixeira/Futura PressProtesto contra aumento de tarifa em São Paulo tem confronto com a PM. Foto: Tércio Teixeira/Futura PressProtesto contra aumento de tarifa em São Paulo tem confronto com a PM. Foto: Tércio Teixeira/Futura PressProtesto contra aumento de tarifa em São Paulo tem confronto com a PM. Foto: Tércio Teixeira/Futura PressProtesto contra aumento de tarifa em São Paulo tem confronto com a PM. Foto: Tércio Teixeira/Futura PressManifestação foi organizada pelo Movimento Passe Livre . Foto: Futura PressPolícia Militar enfrenta manifestantes contra o aumento das tarifas de transporte público no centro da cidade. Foto: Futura Press

Um dia antes será a vez de o Rio de Janeiro sair às ruas contra o reajuste da passagem, que pulou de R$ 2,75 para R$ 2,95. Os cariocas vão se reunir às 16h30 na Cinelândia na segunda-feira (10).

Ontem, quatro grandes cidades brasileiras saíram às ruas contra o reajuste: São Paulo, Rio de Janeiro, Goiânia e Natal. Assim como em São Paulo, todas terminaram em confronto com a PM.

Em Goiânia, onde a passagem mudou de R$ 2,75 para R$ 3, o retrovisor de uma viatura terminou estilhaçado, provocando reação da PM. No Rio, duas pessoas contrárias ao reajuste de R$ 2,75 para R$ 2,95 ficaram feridas por balas de borracha disparadas pelo Batalhão de Choque.

Reduções

Em Natal, a BR-101 foi bloqueada com pneus e lixo, embora tenha havido redução da tarifa. O valor saltou de R$ 2,20 para R$ 2,40, mas a isenção de impostos anunciada recentemente pelo governo federal reduziu a passagem em 10 centavos – valor considerado insuficiente pelos estudantes, que querem a redução de mais 10 centavos.

O fenômeno não é novo. Outras três cidades já viram suas tarifas diminuírem recentemente. Em Porto Alegre, depois de uma série de mobilizações que terminaram com ônibus depredados, uma decisão judicial suspendeu o reajuste em vigor desde o dia 25 de março. No dia 4 de abril, a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) anunciou a mudança de R$ 3,05 para R$ 2,85.

Leia também: Protesto contra aumento de tarifa tem confronto com Tropa de Choque

Tarifas de ônibus, trem e Metrô vão subir para R$ 3,20 em junho

Em Taboão da Serra, na região metropolitana de São Paulo, a prefeitura atendeu ao apelo das manifestações que tomaram as ruas da cidade em janeiro deste ano: a passagem, que passou a custar R$ 3,30 em dezembro de 2012, voltou a valer R$ 3,00.

Outro caso conhecido aconteceu em Teresinha, no Piauí, quando o reajuste foi suspenso depois de cinco dias de protestos e 30 ônibus destruídos em 2011. Na época, os munícipes voltaram a pagar R$ 1,90 para andar de coletivo depois que a prefeitura revogou o valor de R$ 2,10.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas